PF abre inquérito sobre compra de térmicas no governo FHC

PF abre inquérito sobre compra de térmicas no governo FHC

Investigação da Operação Lava Jato mira em suposto esquema de corrupção em negócios da Petrobrás entre 1999 e 2001, segundo delação do ex-diretor da estatal Nestor Cerveró

Julia Affonso, Ricardo Brandt, Fausto Macedo e Mateus Coutinho

05 de outubro de 2016 | 10h35

 

Edifício da Petrobrás, no Rio. Foto: André Dusek/Estadão

Edifício da Petrobrás, no Rio. Foto: André Dusek/Estadão

A Operação Lava Jato investiga um suposto esquema de corrupção na compra de termoelétricas pela Petrobrás, no período de 1999 a 2001 (Governo FHC). A Polícia Federal abriu inquérito para apurar a aquisição envolvendo as empresas Alsotm/GE e NRG.

A investigação parte da delação do ex-diretor da área Internacional da Petrobrás Nestor Cerveró, que, na década de 1990, era gerente de energia do Departamento Industrial da estatal petrolífera.

 

alstom-ge-petrobras

Documento

Documento

Documento

O delator narrou que, em 1997, ‘se vislumbrou a possibilidade de uma crise energética no Brasil’ e que a Petrobrás começou a negociar o desenvolvimento de térmicas.

Ele apontou o ex-senador e ex-líder do Governo Dilma no Senado, Delcídio do Amaral (ex-PT/MS), que, na época, exercia a função de diretor da Petrobrás.

“Em 1999, Delcídio do Amaral assumiu uma das Diretorias da Petrobrás, denominada provisoriamente Diretoria de Participações; que Delcídio do Amaral chamou o declarante para trabalhar com ele na Diretoria de Gás e Energia da Petrobrás; que, em fevereiro de 2000, o presidente da República Fernando Henrique Cardoso criou um programa prioritário de termoelétricas (PPT), para geração de energia por meio de termo elétricas para enfrentar a crise conhecida como ‘apagão'”, relatou Cerveró.

O VÍDEO DA DELAÇÃO DE CERVERÓ SOBRE PROPINAS DA ALSTOM:

Cerveró afirmou que a primeira empresa a fornecer turbinas para a Petrobrás para construção e exploração de termoelétricas foi a ABB, em 1999, posteriormente adquirida pela Alstom, depois adquirida pela GE.

“Nessa primeira aquisição de turbinas já houve o pagamento de propina; que a propina foi negociada com o representante da ABB no Rio de Janeiro”, afirmou Cerveró.

“Se acertou o pagamento de uma propina de US$ 600 mil a US$ 700 mil para o próprio declarante e um valor um pouco menor, do qual o declarante não tem conhecimento, aos funcionários que trabalhavam com o declarante na Petrobrás; Que foi nessa época que o declarante abriu uma conta na Suíça para receber propina; Que os valores destinados ao declarante foram recebidos nessa conta na Suíça.”

COM A PALAVRA, O EX-PRESIDENTE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

Por meio de sua assessoria de imprensa, Fernando Henrique Cardoso informou. “O Presidente não tem informações sobre este inquérito, mas sempre é favorável que denúncias sejam apuradas.”

COM A PALAVRA, A GE/ALSTOM

Por meio de sua assessoria de imprensa, a GE informou que não foi notificada sobre esse inquérito. A empresa não vai comentar, já que não comenta nenhum tipo de especulação.

COM A PALAVRA, HENRI PHILIPPE REICHSTUL

O executivo Henri Philippe Reichstul, que presidiu a Petrobrás entre 1999 e 2001, declarou:
“Face às declarações de Nestor Cerveró me parece absolutamente necessário que se faça uma apuração rigorosa dos fatos”.