Lava Jato 71 mira trading da Petrobras e operador financeiro ligado a Lobão

Lava Jato 71 mira trading da Petrobras e operador financeiro ligado a Lobão

Operação Sem Limites II cumpre 12 mandados de busca e apreensão e 2 ofícios para obtenção de dados telemáticos no Rio para apurar crimes de corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro envolvendo desvios na área da estatal que trata da compra e venda de petróleo, óleos combustíveis e derivados

Redação

18 de junho de 2020 | 08h13

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta, 18, a Operação Sem Limites II, fase 71 da Lava Jato, para apurar crimes de corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro envolvendo a área de Trading da Petrobrás, que cuida da compra e venda de petróleo, óleos combustíveis e derivados. Entre os suspeitos de participação nos crimes estadão um operador financeiro ligado ao ex-senador e ex-Ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, o irmão dele e quatro doleiros. Segundo os investigadores, os crimes teriam ocorrido ao menos entre 2008 e 2014.

Cerca de 40 policiais federais cumpriram 14 ordens judiciais no Rio de Janeiro – 12 mandados de busca e apreensão e dois ofícios para obtenção de dados telemáticos. Foram apreendidos R$84 mil, 11 mil dólares e 9 mil euros, em espécie, além de obras de arte, mídias, pendrives, computadores e celulares.

As ordens foram expedidas pela 13ª Vara Federal da Justiça Federal em Curitiba, que determinou ainda o bloqueio de até R$ 17 milhões dos envolvidos pelo prejuízo identificado até o momento.

Segundo a PF, após análise de materiais apreendidos na 57ª Fase da Lava Jato, a ‘Sem Limites’ – deflagrada em dezembro de 2018 – , e do resultado de pedidos de cooperação jurídica internacional, ‘foram identificados novos indivíduos que auxiliavam e integravam a organização criminosa estruturada no sentido de lesar a Petrobrás, especialmente em sua área de trading, onde são realizados negócios de compra e venda de petróleo, óleos combustíveis e derivados, dentre outros, junto a empresas estrangeiras e que são destinadas às atividades comerciais da estatal’.

“As investigações puderam identificar vários doleiros que atuavam até 2018 no mercado paralelo de câmbio e auxiliavam na remessa de valores de propina que eram pagos pelos intermediários no exterior para agentes públicos corruptos no Brasil”, informou a corporação.

A PF identificou os titulares de contas no exterior em nome de empresas offshores, por meio das quais, profissionais do mercado paralelo de câmbio realizavam transferências bancárias internacionais para a realização de ‘dólar-cabo’.

“A suspeita é de que parte dos valores de propina tinham como objetivo o pagamento de intermediários políticos para a manutenção de certos empregados públicos em funções gerenciais estratégicas da Petrobrás, como a de Gerência Executiva de Marketing e Comercialização, onde se realizavam as operações de trading”, informou a PF em nota.

De acordo com o Ministério Público Federal, o operador financeiro ligado a Lobão intercedia em nome dele para que funcionários apadrinhados fossem alçados e mantidos nesses cargos estratégicos para o desenvolvimento dos esquemas de corrupção e propina na área comercial da estatal, especialmente no comércio externo de asfalto e de produtos escuros (como fuel oil, bunker e determinados tipos de refinery feedstocks).

Edison Lobão. Foto: Dida Sampaio/Estadão

As apurações caminham para precisar o montante total de recursos ilícitos recebidos pelo operador financeiro investigado, já havendo indícios, segundo o MPF, de que as cifras alcançariam a casa dos milhões de dólares.

Além do operador financeiro ligado ao ex-ministro, também são alvos das medidas de busca e apreensão seu irmão, que o auxiliaria no recebimento das vantagens indevidas, e quatro doleiros responsáveis pela internalização de ao menos US$ 1,9 milhão em recursos ilícitos no Brasil por meio de operações financeiras ocorridas entre outubro de 2011 e agosto de 2016. Dois deles teriam sido utilizados pelo próprio operador financeiro e outros dois teriam agido para um ex-trader de produtos escuros da Petrobras à época lotado no escritório de Houston, no Texas, que hoje colabora com as investigações.

COM A PALAVRA, EDISON LOBÃO 

A reportagem busca contato com a defesa do ex-ministro Edison Lobão. O espaço está aberto a manifestação (rayssa.motta@estadao.com).

COM A PALAVRA, A PETROBRÁS

A assessoria da Petrobrás ressaltou que os fatos investigados nessa operação se referem ao período entre 2008 a 2014 e que nenhum empregado do quadro atual da estatal está entre os citados.

“A Petrobras é vítima dos crimes desvendados pela Operação Lava-Jato, sendo reconhecida como tal pelo Ministério Público Federal e pelo Supremo Tribunal. A companhia colabora com as investigações desde 2014, e atua como coautora do Ministério Público Federal e da União em 18 ações de improbidade administrativa em andamento, além de ser assistente de acusação em 62 ações penais. Mais de 4 bilhões já foram ressarcidos pelas autoridades brasileiras aos cofres da companhia.”

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.