‘PF – A lei é para todos’ grava no carnaval condução de Lula

‘PF – A lei é para todos’ grava no carnaval condução de Lula

Depois de reconstituir a prisáo do doleiro Alberto Youssef, primeiro capítulo da maior caçada à corrupção no Brasil, produtor Tomislav Blazic prepara o ápice do longa que deverá chegar às telas do cinema em maio

Ricardo Brandt, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

06 de fevereiro de 2017 | 13h10

Os protagonistas do filme “Polícia Federal – A lei é para todos” se preparam para o ápice das gravações – a reconstituição da condução coercitiva do ex-presidente Lula.

O capítulo mais tenso e importante da Lava Jato – operação que inspira ‘a lei é para todos’ – ocorreu no dia 4 de março de 2016. Por ordem do juiz federal Sérgio Moro, o petista foi levado pela PF para depor em uma sala no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

A gravação da mais espetacular ação da Lava Jato será protagonizada por Ary Fontoura, ator que representa o ex-presidente, na véspera do carnaval.

VEJA CENAS DA PRISÃO DO DOLEIRO DA LAVA JATO EM ‘A LEI É PARA TODOS’



Na sexta-feira, 3, o experiente produtor do longa – que deverá chegar ao cinema em maio -, Tomislav Blazic conduziu as filmagens da prisão do doleiro Alberto Youssef (representado pelo ator Roberto Birindeli), primeiro capítulo da incrível caçada à corrupção, deflagrada no dia 14 de março de 2014. As cenas foram gravadas em um hotel na Lapa do Rio.

“Já rodamos mais de 70% das gravações”, informou Tomi Blazic. “O set de filmagens mobiliza cerca de 300 pessoas. Vamos terminar as gravações em São Paulo com a condução coercitiva do Lula, passando pela marginal do Pinheiros, Paulista, todo o processo do comboio e os deslocamentos da Polícia Federal até o aeroporto.”

O delegado da PF que conduziu Lula será interpretado por João Baldasserini.

Tomi destacou que ‘PF – A lei é para todos’ está orçado em R$ 14,8 milhões. O produtor negou que o empresário Eike Batista – preso pela PF na Operação Eficiência, desdobramento da Lava Jato – tenha investido recursos no longa. Negou, ainda, que as filmagens foram interrompidas com a prisão do empresário.

“Nunca houve isso, em hipótese nenhuma. Esse tipo de informação cria um desconforto. ‘Lei é para todos’ não tem um centavo de recurso governamental, é verba da iniciativa privada, mas de Eike Batista nada. As gravações nunca pararam. Isso é totalmente irreal.”

Notícias relacionadas

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoLula

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.