Pezão recebia mensalão de R$ 150 mil e 13º da propina, diz delator

Pezão recebia mensalão de R$ 150 mil e 13º da propina, diz delator

Leia o depoimento do operador financeiro Carlos Miranda, do esquema de corrupção liderado por Sérgio Cabral, que abriu caminho para o atual governador do Rio ser preso pela Lava Jato

Julia Affonso

29 Novembro 2018 | 08h16

Pezão. Foto: WILTON JUNIOR/ESTADÃO

O termo 21, da delação premiada do operador financeira Carlos Miranda – carregador de malas do esquema de corrução atribuído a Sérgio Cabral (MDB) -, aponta que o governador do Rio Luiz Fernando Pezão (MDB), recebia um mensalão de R$ 150 mil e um 13º da propina. Pezão foi preso pela Polícia Federal, na Operação Boca de Lobo, braço da Lava Jato, nesta quinta-feira, 29.

Documento

Além do governador do Rio, outros 8 investigados tiveram a prisão decretada pelo ministro Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Pezão é suspeito de receber uma propina de R$ 39 milhões em espécie entre 2007 e 2014, período em que foi vice-governador de Sérgio Cabral (MDB).

Em delação, Carlos Miranda declarou que no primeiro mandato de Sérgio Cabral foi orientado pelo emedebista a pagar R$ 150 mil mensais a Luiz Fernando Pezão. O delator contou que os valores eram entregues pelo operador Sérgio de Castro Oliveira, o Serjão.

“Serjão era utilizado para transportar o dinheiro até o Palácio Guanabara, em razão de Serjão ser funcionário da Secretaria de Governo e dispensar registros na portaria”, narrou Carlos Miranda.

“Além do pagamento mensal de R$ 150 mil, havia o pagamento de um 13º também no mesmo valor no final do ano; que os recursos eram transportados em envelopes azuis para não chamar atenção.”

Carlos Miranda disse aos investigadores que ele próprio separava os recursos ‘após o recolhimento de propina nas empreiteiras e prestadores de serviço do Estado do Rio de Janeiro’.

“O valor de R$ 150 mil, pelo seu volume, tinha que ser acondicionado em dois ou três envelopes; que os pagamentos começaram em março de 2007 e perduraram até março de 2014, quando Cabral saiu do governo”, relatou.

“Os pagamentos foram religiosamente cumpridos; que depois de Cabral sair do governo, os pagamentos inverteram; Pezão passou a enviar a Cabral R$ 400 mil mensais.”

A reportagem está tentando contato com os citados. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, O GOVERNO DO RIO

O Governo do Estado do Rio de Janeiro informa que, de acordo com o artigo 140 da Constituição estadual, a chefia do Poder Executivo passa a ser exercida, a partir desta quinta-feira (29/11), pelo vice-governador Francisco Dornelles.

O governador em exercício afirma que o Governo do Estado do Rio de Janeiro manterá todas as ações previstas no Regime de Recuperação Fiscal (RRF) e dará prosseguimento aos trabalhos de transição de governo, reiterando o seu maior interesse na manutenção do bom relacionamento com os demais Poderes do Estado.

Mais conteúdo sobre:

Pezãooperação Lava Jato