Pezão depõe a Moro por seu ‘padrinho’ Sérgio Cabral

Pezão depõe a Moro por seu ‘padrinho’ Sérgio Cabral

Governador do Rio foi arrolado por antecessor que está preso desde novembro e é réu em ação por corrupção nas obras do Complexo Petroquímico do Rio

Julia Affonso, Luiz Vassallo e Ricardo Brandt

06 de abril de 2017 | 13h39

Pezão. Foto: Marcos de Paula/Estadão

Pezão. Foto: Marcos de Paula/Estadão

O governador do Rio Luiz Fernando Pezão (PMDB) depõe na tarde desta quinta-feira, 6, ao juiz federal Sérgio Moro como testemunha de defesa de seu antecessor e padrinho político Sérgio Cabral, preso em novembro na Operação Calicute, desdobramento da Lava Jato.

Pezão, que foi vice nos dois mandatos de Cabral, foi arrolado para depor em ação penal sobre corrupção na Petrobrás.
Neste processo, Cabral é acusado de ter recebido propinas de R$ 2,6 milhões – equivalentes a 1% do contrato da estatal petrolífera com a empreiteira Andrade Gutierrez para obras de terraplanagem do Complexo Petroquímico do Rio.
A defesa de Cabral afirma que ele vai provar sua inocência.

O ex-governador foi preso por ordem de Moro. Ocupa uma cela do presídio em Bangu 8. Cabral é réu em outras cinco ações criminais.

Pezão vai depor por videoconferência. Ele vai falar desde o Rio para o juiz federal, cujo gabinete fica em Curitiba, base da Lava Jato. O depoimento está previsto para começar às 16 horas.

Tudo o que sabemos sobre:

Operação CalicuteLuiz Fernando Pezão

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.