Pesquisa diz que 90% consideram ‘importante’ atuação da Procuradoria

Pesquisa diz que 90% consideram ‘importante’ atuação da Procuradoria

Levantamento para medir a imagem que a sociedade tem das atividades do Ministério Público Federal revela que cresceu a visibilidade da instituição

Beatriz Bulla, Breno Pires, Rafael Moraes Moura e Fabio Serapião

23 Agosto 2017 | 05h00

Sede da Procuradoria-Geral da República em Brasília. FOTO: ANDRE DUSEK/ESTADÃO

Pesquisa de opinião realizada para medir a imagem que a sociedade tem da atuação do Ministério Público Federal revelou que cresceu a visibilidade da instituição, sobretudo no combate à corrupção e à criminalidade. Do total de 3.022 entrevistados, de diferentes faixas etárias e todas as regiões do país,76,2% consideraram ‘satisfatória’ a atuação do MPF e 90% responderam que a atividade da instituição é importante para a sociedade.

As informações foram divulgadas pela Assessoria de Comunicação Estratégica da Procuradoria.

No estudo, o MPF aparece na quarta posição, juntamente com a Polícia e os Correios, no ranking das 12 instituições com maior credibilidade entre a população.

A instituição ficou atrás apenas do Corpo de Bombeiros, da Igreja e das Forças Armadas, em termos de confiança da sociedade.

Nos últimos anos, também cresceu significativamente o número de pessoas que passou a conhecer o trabalho do Ministério Público Federal, ‘o que decorre, em grande parte do combate à corrupção e da Operação Lava Jato’.

Do total de entrevistados pela pesquisa, apenas 1,9% declarou não conhecer o Ministério Público Federal, contra 16,7% que diziam não conhecer a instituição no estudo realizado em 2013.

O combate à corrupção é tanto o termo mais associado pelas pessoas ao MPF, como a área de atuação mais conhecida.

Ao serem perguntados sobre qual a primeira imagem que vem à mente associada ao Ministério Público Federal, além de corrupção, os entrevistados também responderam Justiça, investigação e Lava Jato.

Apenas 16,2% das pessoas não conseguiram fazer nenhuma associação à imagem do Ministério Público Federal, número bem inferior ao constatado em 2013, quando 74,2% das pessoas não conseguiram responder a questão.

Além do combate à corrupção, as áreas de atuação do MPF mais conhecidas pela sociedade são a fiscalização dos serviços públicos, defesa da lei brasileira, combate à criminalidade e defesa dos direitos sociais.

Nesse sentido, 77,5% das pessoas consideram ‘positiva’ ou ‘neutra’ a atuação da instituição.

Do total de entrevistados, 91% defenderam que a investigação de crimes conduzida pelo MPF deve ser mantida.E 70% consideram que a área de atuação da instituição deve ser ampliada, enquanto 19% sugerem que ela seja mantida como está.

O nível de satisfação da sociedade em relação ao Ministério Público Federal superou em 6,2 pontos percentuais as expectativas da instituição, que tinha como meta de Planejamento Estratégico alcançar 70%.

A pesquisa demonstrou, ainda, que o esforço da atual gestão em priorizar o combate à corrupção e a estratégia de comunicação para divulgar essa atuação atingiram resultados satisfatórios.

Os resultados também revelam que a instituição conseguiu avançar na missão definida para 2020, ‘de ser reconhecida, nacional e internacionalmente, pela excelência na promoção da justiça, da cidadania e no combate ao crime e à corrupção’.

A pesquisa foi realizada pelo Instituto 3R Amazônia Soluções pela Sustentabilidade, a pedido da Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria-Geral da República.

Na fase qualitativa, realizada entre os dias 12 de abril e 13 de dezembro de 2016, foram realizados 13 grupos focais nas cinco regiões do país, compostos por membros e servidores do MPF, operadores do direito, imprensa, estudantes universitários, órgãos de fiscalização, movimentos sociais e cidadãos em geral.

Já a pesquisa quantitativa foi realizada entre os dias 14 de fevereiro e 24 de março de 2017 e entrevistou 3.022 pessoas, com mais de 16 anos, de diferentes faixas etárias, níveis de renda e escolaridade.

Os entrevistados residiam em zonas urbanas de todas as capitais e de locais com Procuradorias da República nos Municípios, totalizando uma amostra de 54 cidades.