Pescaria II da PF ataca fraudes a licitações de R$ 14 mi na saúde de Pernambuco

Pescaria II da PF ataca fraudes a licitações de R$ 14 mi na saúde de Pernambuco

Cinquenta policiais federais e dois auditores da Controladoria cumprem mandados de prisão e de busca e apreensão em cinco municípios

Pepita Ortega

28 de março de 2019 | 18h09

Operação Pescaria II. Foto: Reprodução / Polícia Federal

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta, 28, a Operação Pescaria II, que visa desarticular uma associação criminosa que fraudava processos licitatórios em cidades de Pernambuco. A ação conta com apoio da Controladoria-Geral da União.

Cinquenta policiais federais e dois auditores da CGU participam das ações nos municípios pernambucanos de Agrestina, Garanhins, Brejão, Panelas e Jurema.

Treze mandados foram expedidos pela 24.ª Vara da Justiça Federal – quatro de prisão preventiva e nove de buscas.
A ação tem relação com os materiais apreendidos durante a primeira fase da operação, deflagrada em 21 de fevereiro.

Operação Pescaria II. Foto: Reprodução / Polícia Federal

Segundo as investigações, licitações para construção de unidades básicas de saúde eram fraudadas de maneira a garantir a escolha de uma empresa de fachada pertencente a um dos integrantes do esquema.

Devido à falta de capacidade técnico-operacional do suposto empresário para a obra, o trabalho era executado por um ‘terceiro desqualificado’, também parte da associação, aponta a PF.

Os valores pagos pelos municípios, entre 2015 e 2018, às empresas que são alvo da Operação Pescaria II somam mais de R$ 14 milhões. O prejuízo aos cofres públicos ainda será calculado.

A PF também investiga a ocultação e dissimulação dos recursos envolvidos nas fraudes, ‘incluindo possíveis ocorrências de lavagem de dinheiro por parte de empresas e pessoas relacionadas aos empreendimentos’.

A investigação, que teve início em novembro de 2018, apura os crimes de fraude à licitação, associação criminosa, falsidade ideológica, peculato e lavagem de dinheiro.

As penas podem chegar, somadas, a 46 anos de reclusão, além do pagamento de multas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.