Perito indicado por Lula aponta ‘adulteração’ em documentos da Odebrecht

Perito indicado por Lula aponta ‘adulteração’ em documentos da Odebrecht

Advogados entregaram laudo da perícia ao juiz federal Sérgio Moro no âmbito de incidente de falsidade sobre planilhas e anotações entregues pelos executivos da empreiteira

Luiz Vassallo e Julia Affonso

15 Fevereiro 2018 | 18h05

O parecer da perícia indicada pela defesa do ex-presidente Lula aponta ‘práticas adulterosas’ sobre documentos de corroboração entregues por delatores da Odebrecht. O documento, produzido pelo perito Celso Mauro Ribeiro Del Picchia, foi juntado aos autos de incidente de falsidade requerido pelos advogados do petista contra papéis da colaboração dos executivos da construtora na Operação Lava Jato.

Documento

Documento

Documento

+ Pedido de Lula para suspender perícia ‘não faz o menor sentido’, diz Moro

“Dessa forma, a suspeita da seriedade dos documentos e a possibilidade de que poderiam ter sido alterados foram confirmadas pela análise do renomado expert. Logo, os documentos supostamente extraídos do sistema Drousys, trazidos pelo corréu colaborador Marcelo Odebrecht e usados pelo Ministério Público Federal, segundo trabalho pericial ora trazido aos autos, contém elementos suficientes para demonstrar que foram adulterados”, sustenta a defesa, ao entregar a perícia.

Raquel se manifesta contra pedido de Lula para evitar prisão

Somente nas mãos do juiz federal Sérgio Moro, estão dois processos envolvendo a delação da empreiteira contra o petista. Em um deles, Lula responde por dois imóveis que totalizariam R$ 12,5 milhões em supostas propinas. O petista também é réu na ação penal sobre o Sítio Santa Bárbara, em Atibaia, cujas reformas realizadas pela Odebrecht e pela OAS são vistas como vantagens indevidas em benefício de Lula pela força-tarefa da Lava Jato.

Triplex atribuído a Lula é avaliado em R$ 2,2 milhões

A defesa questiona documentos da delação que envolvem a ação sobre os supostos R$ 12,5 milhões que totalizam o valor do terreno onde seria sediado o Instituto Lula, segundo delatores, e a respeito do apartamento vizinho ao do ex-presidente em São Bernardo, que teriam sido bancados pela empreiteira, de acordo com a denúncia.

No incidente de falsidade, a defesa e o Ministério Público Federal têm o direito de indicar suas próprias perícias sobre os documentos.

No documento da perícia indicada pela defesa de Lula, o assistente técnico, que é membro emérito da Associação dos Peritos Judiciais do Estado de São Paulo, apontou o que considerou como indicativos de que os documentos da empreiteira foram manipulados.

No relatório, o perito anexa planilhas aonde diz ter identificado ‘práticas adulterosas’.

A respeito deu ma das planilhas do Drousys, sistema do departamento de propinas da Odebrecht, o perito diz que ‘infelizmente, ao mesmo tempo que os recursos de computação facilitam a confecção de documentos verdadeiros, também produzem recursos e facilitam, enormemente e ao extremo, diversas possibilidades de montagens e outras fraudes documentoscópicas’.

Já em análise sobre anotações, o perito afirma que, em um dos papeis, uma assinatura do delator Paulo Melo foi ‘enxertada no documento’ e que os manuscritos não foram ‘produzidos por um mesmo e único punho escritor’.

COM A PALAVRA, ODEBRECHT

“A Odebrecht está colaborando com a Justiça no Brasil e nos países em que atua. Já reconheceu os seus erros, pediu desculpas públicas, assinou um Acordo de Leniência com as autoridades do Brasil, Estados Unidos, Suíça, República Dominicana, Equador, Panamá e Guatemala, e está comprometida a combater e não tolerar a corrupção em quaisquer de suas formas.”

Mais conteúdo sobre:

Lulaoperação Lava Jato