Período de recolhimento domiciliar com tornozeleira pode ser descontado da pena, decide STJ

Período de recolhimento domiciliar com tornozeleira pode ser descontado da pena, decide STJ

Ministros da Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça entenderam que limitações se assemelham ao regime semiaberto; entram no cálculo para desconto apenas as horas obrigatórias e efetivas de recolhimento

Redação

22 de abril de 2021 | 15h00

Em votação unânime, a Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que o período de recolhimento domiciliar com tornozeleira eletrônica pode ser descontado do tempo de pena.

Documento

Os ministros entenderam que, embora não constitua pena privativa de liberdade, as limitações impostas pelo recolhimento domiciliar monitorado por tornozeleira se assemelham ao cumprimento de pena em regime semiaberto.

“Onde existe a mesma razão fundamental, aplica-se a mesma regra jurídica”, afirmou a ministra Laurita Vaz, relatora do processo, no julgamento concluído na semana passada.

Ministros decidiram que período de recolhimento com tornozeleira pode ser abatido de pena imposta pela Justiça. Foto: Secretaria de Justiça do Paraná/Divulgação

A ministra observou ainda que impedir o abatimento significaria ‘excesso de execução’ da sentença. “Interpretar a legislação que regula a detração de forma que favoreça o sentenciado harmoniza-se com o princípio da humanidade, que impõe ao juiz da execução penal a especial percepção da pessoa presa como sujeito de direitos”, acrescentou Laurita.

O colegiado atendeu a um habeas corpus apresentado pela Defensoria Pública do Paraná. Nos termos da decisão, entram no cálculo para desconto da pena apenas as horas efetivas de recolhimento domiciliar com monitoramento eletrônico, de modo que os períodos em que é permitido a saída não serão contabilizados.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.