Perícia contratada pela defesa de Rafael Ramos afirma que jogador do Corinthians não falou ‘macaco’

Perícia contratada pela defesa de Rafael Ramos afirma que jogador do Corinthians não falou ‘macaco’

Parecer técnico de 12 páginas subscrito por dois peritos com deficiência auditiva severa, que usam a leitura labial desde a infância, sustenta que o lateral português do Timão disse 'pô caral....' para o meio-campo Edenilson, do Inter de Porto Alegre, no jogo realizado sábado, 14, no Beira-Rio

Rayssa Motta e Fausto Macedo

21 de maio de 2022 | 10h19

Edenílson diz que Rafael Ramos o chamou de ‘macaco’ durante partida no Beira-Rio e jogador português foi autuado por injúria racial. Foto: Reprodução

Um laudo encomendado pela defesa do jogador português Rafael Ramos, lateral do Corinthians, concluiu que ele não chamou o também jogador Edenilson, meio-campo do Internacional de Porto Alegre, de “macaco”. O documento vai ser usado na investigação aberta para saber se o atleta cometeu injúria racial.

Documento

A análise foi feita a pedido do advogado Daniel Bialski pelo Centro de Perícias Curitiba. Dois peritos com deficiência auditiva severa, que usam a leitura labial desde a infância, assistiram as imagens da partida que ocorreu no último sábado, 14, pelo Campeonato Brasileiro. A conclusão foi a de que o lateral do Corinthians usou, na verdade, o palavrão “caralho”.

Em uma análise fonética, a perícia diz ainda que a sílaba “ma” só pode ser pronunciada a partir da junção dos lábios, o que segundo o documento não ocorreu no caso.

“A palavra ‘macaco’ não consta na fala questionada, ficando comprovado que em nenhum momento houve a junção labial no início da pronúncia, com a formação da sílaba ‘ma'”, diz um trecho do relatório.

Veja a transcrição do diálogo, segundo a perícia: 

Rafael Ramos: “Eiii…

Rafael Ramos: “Cê tá loco?!”

Edenílson: “maluco!”

Rafael Ramos: “Pô, caralho!”

A Polícia Civil de Porto Alegre também pediu uma perícia nas imagens da partida.

Rafael Ramos chegou a preso em flagrante depois de ter sido acusado de racismo ainda durante a partida. O jogador foi autuado por injúria racial e detido no posto policial do estádio Beira-Rio, em Porto Alegre. Ele foi solto depois que o Corinthians pagou R$ 10 mil de fiança e responde em liberdade.

Nas redes sociais, Edenilson disse que “sabe o que ouviu” e que chegou a procurar Ramos para que ele “pedisse desculpas”.

“Afinal, todos erramos e temos o direito de admitir, no meu modo de ver as coisas. Mas o mesmo continuou a dizer que eu havia entendido errado. Eu não entendi errado, o procurei pelo respeito que tenho por alguns integrantes do Corinthians e para que ele pudesse ter uma chance de se redimir, pois independente da nossa cor o caráter falará mais alto. Enfim, peço desculpas por não estar preparado para reagir a algo desse tipo”, escreveu o atleta nas redes sociais.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.