Perdoem-me, mulheres, mas sou uma feminista de araque

Perdoem-me, mulheres, mas sou uma feminista de araque

Izabella de Macedo*

06 de setembro de 2020 | 13h30

Eu usufruo muito do que o feminismo faz e fez por mim e faço por ele muito pouco. Ou quase nada.

Eu me solidarizo pelas causas. Concordo com a maioria das pautas. Mas não entro no movimento. Não vou à luta. Não faço valer o lugar que as mulheres que me precederam me colocaram.

Sou uma feminista de araque.

Não sou a favor de extremismos. Tampouco sou a favor de discursos violentos. E acabo seguindo por um caminho menos polarizado e até um tanto quanto covarde.

Meu pai diz que quem não escolhe um lado é porque não tem coragem de assumir de que lado está. Covardia disfarçada de neutralidade.

Talvez eu não seja uma feminista de araque. Talvez eu só seja uma covarde. Repleta de vontade de sair por aí exigindo nosso lugar e sem coragem de gritar.

Divulgação/Izabella de Macedo

Talvez eu só tenha uma maneira mais pragmática de exigir um lugar. Afinal, a comunicação é meu forte e eu criei um espaço de fala, através da escrita. Eu acredito que cada um tem seu jeito de mudar o mundo. Mas a minha palavra foi vã em tantos momentos em que eu precisava ter gritado.

A covardia me coloca em uma posição de neutralidade onde não há. E eu fico me protegendo sob os muros que a vida me deu como escudos para violências tão cotidianas.

Estou aterrorizada com o fato de até hoje eu não ter lutado por nenhuma causa. Por não ter protegido de alguma maneira as meninas que são violentadas, as mulheres que são agredidas e as feministas que gritam sozinhas, que não são covardes e que sabem o seu lugar.

Perdoem-me, mas sou uma feminista camuflada, dissolvida nos pilares de uma sociedade tradicionalmente machista, agressiva, injusta e maltratada.

Perdoem-me, mulheres, por todas as banalidades que escrevo e por não estarmos lado a lado nessa luta que está só começando.

Perdoem-me, pois sou uma feminista em construção.

*Izabella de Macedo é mediadora de conflitos e autora do livro Mulheres Normais. É graduada em Letras e advogada com mestrado em Educação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: