‘Peito aberto, não fugiu, não correu’, diz defesa de executivo da Odebrecht

‘Peito aberto, não fugiu, não correu’, diz defesa de executivo da Odebrecht

Advogados de Rogério Araújo, ex-diretor da empreiteira preso na Lava Jato desde 19 de junho de 2015, pede anulação da ação penal em que é réu por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa

Julia Affonso e Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

01 de março de 2016 | 18h36

Rogério Araújo. Foto: Reprodução

Rogério Araújo. Foto: Reprodução

Atualizada às 19h36

O executivo Rogério Araújo, ligado à Odebrecht e preso desde junho de 2015, afirmou em alegações finais em um dos processos da Operação Lava Jato que está de ‘peito aberto’. O documento foi entregue no fim da noite desta segunda-feira, 29, ao juiz Sérgio Moro, e pede a anulação da ação penal.

Rogério Araújo e outros quatro executivos ligados à empreiteira, Márcio Faria, Cesár Ramos Rocha, Alexandrino Alencar e o ex-presidente do grupo Marcelo Odebrecht, são acusados de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

“Peito aberto. Não há melhor expressão para definir o comportamento de Rogério Santos de Araújo frente à Operação Lava-Jato”, afirma o documento subscrito pelos advogados Flávia Rahal, Guilherme Ziliani Carnelós, Camila Vargas do Amaral, Bianca Dias Sardilli e Felício Nogueira Costa.

[veja_tambem]

“Não fugiu, não correu. Preocupou-se sim, mas não se desesperou, pois confiava, àquela época, que algum senso de Justiça ainda existia e que teria direito a um processo que tramitaria no estrito respeito às regras do devido processo legal.”

Márcio Faria, Cesár Ramos Rocha, Alexandrino Alencar também entregaram suas alegações nesta segunda.

As alegações finais são a parte derradeira do processo, em que o Ministério Público, que acusa, e as defesas apresentam suas argumentações e pedidos a serem considerados pelo juízo. A Procuradoria entregou seus memoriais em janeiro deste ano.

No documento de 342 páginas, os criminalistas pedem a absolvição de Rogério Araújo, caso a ação não seja anulada.

“Chama a atenção nas alegações finais do Ministério Público que sua insistência na condenação tem por base apenas e tão-somente as palavras dos criminosos delatores Paulo Roberto Costa (ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás) e Pedro Barusco (ex-gerente executivo da estatal). Nada além! A lei proíbe a condenação com base na palavra de corréu; sendo esse corréu, ainda por cima, delator, maior a razão para não se dar credibilidade a suas palavras. Sem provas que favoreçam a tese da acusação, a ação penal não pode ser julgada procedente.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: