Pedra no Caminho

Pedra no Caminho

Leia relatório da Polícia Federal que mostra sobrepreço de R$ 131 milhões em obras do trecho norte do Rodoanel e levou à prisão do ex-secretario de Logística e Transportes do governo Alckmin, Laurence Casagrande Lourenço, em braço da Lava jato em São Paulo deflagrado nesta quinta, 21

Luiz Vassallo

21 Junho 2018 | 12h35

Reprodução

O ex-secretário de Logística e Transportes no governo Alckmin, Laurence Casagrande Lourenço, foi preso nesta quinta-feira, 21, no âmbito da Operação Pedra no Caminho, braço da Lava Jato em São Paulo. A investigação mira desvios em contratos do Rodoanel Trecho Norte, cujas obras foram iniciadas em 2013, quando Lourenço era presidente da Dersa.

+ Alckmin critica prisão de ex-presidente da Dersa: ‘Não podemos cometer injustiça’

Documento

Atualmente, Lourenço é o presidente Companhia Energética de São Paulo. Ele foi secretário de Secretaria de Logística e Transportes entre maio do ano passado e abril deste ano e chegou a presidir a Dersa entre janeiro de 2011 e maio de 2017. Também passou pela Fundação Casa e a Secretaria de Segurança Pública.

+ Gerente de Obras da Dersa se recusou a assinar aditivos milionários e perdeu cargo, diz Lava Jato

Segundo o Ministério Público Federal, a ‘Pedra no Caminho’ mira crimes praticados por agentes públicos e empresários durante as obras do Rodoanel Viário Mário Covas – Trecho Norte e envolvem a suposta prática de corrupção, organização criminosa, fraude à licitação, crime contra a ordem econômica e desvio de verbas públicas. As obras contaram com recursos da União, do Governo do Estado de São Paulo e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e foram fiscalizadas pela DERSA.

COM A PALAVRA, ALCKMIN

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, DERSA

A DERSA – Desenvolvimento Rodoviário S/A e o Governo de São Paulo são os maiores interessados acerca do andamento do processo. Havendo qualquer eventual prejuízo ao erário público, o Estado adotará as medidas cabíveis, como já agiu em outras ocasiões.

COM A PALAVRA, OAS

“Agentes da Polícia Federal estiveram nesta manhã na sede da OAS em São Paulo, numa operação de busca e apreensão de documentos relativos a obras do Rodoanel paulista, das quais é responsável pelos Lotes 2 e 3 do trecho Norte. ​Um ex-executivo da empresa que esteve à frente do projeto – fora dos quadros da companhia desde 2016 – também teve prisão temporária decretada.”

“Em razão desses acontecimentos, a nova gestão da OAS esclarece à opinião pública, aos nossos colaboradores, aos nossos credores e aos nossos fornecedores que considera relevante não deixar pairar dúvidas ou suspeitas sobre os negócios anteriores à sua chegada ao comando da empresa. Em razão disso, ​os atuais gestores da construtora têm prestado​ às autoridades todos os esclarecimentos a respeito de atividades e contratos sobre os quais haja questionamentos – no ​projeto do Rodoanel​ em particular e em todos os outros que realiza.”

“A OAS já firmou acordos com o Cade e vem trabalhando com outros órgãos ​fiscalizadores​ para acertar contas com o Estado e o povo brasileiro. A nova gestão da OAS entende que colaborar para elucidar tais questionamentos é um imperativo para dar continuidade a suas operações de acordo com os mais elevados padrões de ética e transparência corporativa, único caminho possível para recuperar o lugar de excelência que sempre ocupou na engenharia do país.”

COM A PALAVRA, O GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

O Governo de São Paulo determinou à Corregedoria Geral da Administração a abertura de sindicância para apurar os fatos hoje revelados. Laurence Casagrande renunciou à presidência da Cesp para poder se defender. No seu lugar assume interinamente o diretor financeiro Almir Fernando Martins.

Assessoria de Imprensa do Governo do Estado de São Paulo

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA MARCELO LEONARDO, EM NOME DA MENDES JUNIOR

O criminalista Marcelo Leonardo, constituído pela empreiteira Mendes Junior, disse que ainda não teve acesso aos autos da Operação Pedra no Caminho.
“Como ainda não tivemos acesso aos autos não temos nada a declarar por enquanto.”

COM A PALAVRA, CESP

“A CESP – Companhia Energética de São Paulo não vai se pronunciar porque os fatos, alvos da operação,
não aconteceram no âmbito da Empresa, nem no período em que o sr. Laurence Casagrande Lourenço
preside a Companhia.”

Assessoria de Imprensa da CESP