‘Pedágio 3 milhões Beto’

‘Pedágio 3 milhões Beto’

Emails resgatados pela Polícia Federal e Procuradoria da República na Operação Lava Jato reforçam suspeitas de que ex-governador do Paraná, preso nesta sexta, 25, era o verdadeiro controlador da Ocaporã Administradora de Bens que teria sido usada para lavar propina de R$ 2,7 milhões de concessionárias de rodovias

Igor Moraes, Ricardo Brandt e Fausto Macedo

25 de janeiro de 2019 | 12h08

Emails resgatados pela Polícia Federal na Operação Lava Jato apontam o ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) como o verdadeiro controlador da Ocaporã Administradora de Bens, empresa supostamente usada para lavar propina de R$ 2,7 milhões de concessionárias de rodovias federais. Os emails têm peso importante na decisão do juiz Paulo Sérgio Ribeiro, da 23.ª Vara Criminal Federal de Curitiba, que decretou a prisão preventiva do tucano e do ‘homem de confiança’ dele, o contador Dirceu Pupo Ferreira – a PF prendeu os dois.

A empresa, formalmente, está registrada em nome da mulher do tucano, Fernanda Richa, e dos filhos do casal.

Beto Richa é candidato ao Senado pelo PSDB; na foto, é acompanhado por sua mulher, Fernanda Richa. Foto: Rodolfo Buhrer / Foto Arena

Beto Richa é candidato ao Senado pelo PSDB; na foto, é acompanhado por sua mulher, Fernanda Richa. Foto: Rodolfo Buhrer / Foto Arena

As mensagens foram rastreadas do email de Fernanda nos anos de 2011 e 2014 e revelam a influência do tucano sobre a empresa.

A primeira delas, um rascunho, traz as palavras  ‘Pedágios 3 milhões Beto‘, acompanhada de outras anotações consideradas suspeitas, como ‘compromisso com as empreiteiras financiam o Beto’, ‘pacto de acionistas Sanepar’ e ‘Copel está sendo vendida pelo Beto’.

O segundo email, datado de 3 de janeiro de 2011, traz uma troca de mensagens entre Fernanda e o contador  Pupo Ferreira. No diálogo, sobre estratégia de venda de terrenos no condomínio Alphaville Graciosa, Fernanda diz a Pupo que ‘levaria o assunto para Beto’. Um mês depois, a mulher do ex-governador respondeu a mensagem. “O Beto acha que podemos esperar mais um pouco.”

Os procuradores da força-tarefa da Lava Jato acusam o ex-governador de lavar R$ 2,6 milhões por meio da compra de imóveis em nome da Ocaporã com a ajuda do contador Dirceu Pupo Ferreira. Outros R$ 142 teriam sido lavados por meio de depósitos diretos para a própria empresa.

Além da Integração, Beto Richa também é investigado na operação Radiopatrulha, que o levou para prisão por quatro dias e vasculhou a casa de sua mãe em 2018.

COM A PALAVRA, OS CITADOS

A reportagem busca contato com Beto Richa, Dirceu Pupo Ferreira e os demais citados. O espaço está aberto para manifestação.

Tudo o que sabemos sobre:

Beto Richaoperação Lava Jato

Tendências: