PDT pede ao Supremo que suspenda privatização da Casa da Moeda, Serpro, Dataprev, ABGF, Emgea e Ceitec

PDT pede ao Supremo que suspenda privatização da Casa da Moeda, Serpro, Dataprev, ABGF, Emgea e Ceitec

Legenda sustenta que venda das seis estatais não pode ser feita por meio de decretos e resoluções, só por lei específica aprovada pelo Congresso; Cármen é a relatora

Redação

29 de outubro de 2019 | 12h48

Foto: Reprodução

O PDT pediu ao Supremo Tribunal Federal que suspenda a privatização de seis estatais – a Casa da Moeda do Brasil, o Serviço de Processamento de Dados (Serpro), a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev), a Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias S/A (ABGF) e a Empresa Gestora de Ativos (Emgea) e o Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada S/A (Ceitec). A ação foi distribuída à ministra Cármen Lúcia.

A desestatização das empresas está disposta em quatro decretos editados pelo presidente Jair Bolsonaro e duas resoluções publicadas neste ano.

Segundo o partido, a venda das empresas não pode ser feita por meio de decretos e resoluções, ‘em violação ao princípio constitucional da legalidade, mas por lei específica aprovada pelo Congresso Nacional’.

A solicitação de suspensão consta em uma Ação Direta de Inconstitucionalidade na qual a legenda pede à Corte que declare a nulidade parcial de alguns dispositivos das leis federais Leis 9.491/1997 e 13.334/2016, que balizam o Programa Nacional de Desestatização – ‘proclamando a inconstitucionalidade da desestatização sem autorização legislativa, prévia e específica, de empresas públicas e sociedades de economia mista cuja instituição foi autorizada por lei específica’.
A legenda diz que há ‘excepcional perigo de dano na probabilidade concreta de irreversibilidade’ dos atos de desestatização das empresas.

De acordo com o PDT, a política pública de desestatização vigente deve ser revista, por reservar ‘unilateralmente’ ao Poder Executivo a prerrogativa unilateral de ‘transferir à iniciativa privada o controle de empresas públicas’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: