‘Parece que a República dobrava os joelhos à Odebrecht’, diz deputado

‘Parece que a República dobrava os joelhos à Odebrecht’, diz deputado

Deputado tucano que integra a CPI da Petrobrás se dirigiu ao executivo Márco Faria, ligado à maior empreiteira do País, que se calou

Redação

01 de setembro de 2015 | 11h40

Márcio Faria se calou durante a CPI da Petrobrás. Foto: Ricardo Brandt/Estadão

Márcio Faria se calou durante a CPI da Petrobrás. Foto: Ricardo Brandt/Estadão

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, e Julia Affonso

A audiência do executivo Márcio Faria, ligado à Odebrecht, na CPI da Petrobrás, em Curitiba, base da Operação Lava Jato, durou cerca de 20 minutos. Márcio Faria não respondeu a nenhuma pergunta dos deputados.

O executivo está preso preventivamente desde 19 de junho deste ano. Ele é acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Diante da opção de Márcio Faria em se calar, o deputado Delegado Waldir (PSDB-GO) se manifestou. “Me parece que toda a República dobrava os joelhos à Odebrecht”, disse.

Antes de Márcio Faria, outros executivos da empreiteira Rogério Araújo e César Ramos Rocha também ficaram em silêncio. Durante a audiência de Rogério Araújo e Márcio Faria, alguns deputados sugeriram a delação premiada aos executivos.

Esse é o segundo dia de depoimentos de réus presos da Lava Jato pela CPI da Petrobrás em Curitiba – sede das apurações. Na segunda-feira, 31, primeiro dia de audiência, a Comissão se frustrou com o silêncio dos alvos da Lava Jato.

Depois de pouco mais de duas horas a CPI da Petrobrás terminou o primeiro dia de trabalhos sem obter qualquer revelação. Os cinco convocados, entre eles o ex-ministro José Dirceu (Casa Civil/Governo Lula), permaneceram em silêncio total. Por orientação de seus defensores, diante das perguntas dos parlamentares todos ficaram de boca fechada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: