Para o Le Monde, Moro é Eliot Ness, dos Intocáveis

Para o Le Monde, Moro é Eliot Ness, dos Intocáveis

Prestigioso jornal francês compara juiz da Lava Jato ao célebre agente federal americano que, nos anos 1930, aniquilou Al Capone, o poderoso contrabandista de bebidas

Julia Affonso e Terezinha Martino

18 de dezembro de 2015 | 04h00

lemonde

A edição desta quinta-feira, 17, do prestigioso jornal francês Le Monde traz um perfil de Sérgio Moro, o juiz federal da Operação Lava Jato. A jornalista Claire Gatinois descreve Moro como ‘um pequeno juiz de província’, ‘moreno de queixo quadrado’, ‘odiado e temido por políticos’, mas ‘adulado pelos cidadãos brasileiros’.

Eliot Ness e Sérgio Moro. Foto: Reprodução e Estadão

Eliot Ness e Sérgio Moro. Foto: Reprodução e Estadão

O jornal afirma que a Lava Jato é um escândalo que pode transformar o Brasil e o compara a Eliot Ness, famoso agente federal americano que aniquilou Al Capone, o poderoso contrabandista de bebidas que desafiou a lei seca implantada a ferro e fogo na Chicago dos anos 1930. Eliot Ness virou herói no filme Os Intocáveis, no papel do ator Kevin Costner.

 

“É a partir do seu escritório em Curitiba, capital do Estado do Paraná, no sul do Brasil, que o quarentão com ar de agente de filmes B faz tremer os tenores da política em Brasília e os alto executivos de São Paulo e identificando, semana após semana, há mais de um ano, os suspeitos, culpados, testemunhas e futuros denunciadores do escândalo Petrobrás”, escreveu a jornalista.

“Esse caso de corrupção onde grandes grupos do setor da construção e trabalhos públicos se organizaram em cartel para vencer sucessivamente as licitações propostas pela empresa pública, comprando a cumplicidade de políticos de todas as tendências e a indulgência da direção do grupo petrolífero, revelou que cerca de 42 bilhões de reais foram desviados, e resultou até agora em 15 sentenças, 58 condenações e um total de 700 anos de prisão já impostas.”

Sérgio Moro condenou os maiores empreiteiros do País, ex-diretores da Petrobrás e políticos.

“Às vezes ele se sente desencorajado, desgastado por esse trabalho de Sísifo, cansado de ‘pregar no deserto’, como confessou recentemente. Mas se mantém. Sergio Moro sabe que tem entre as mãos o processo da sua vida. O escândalo pode transformar seu país.”

Le Monde cita a prisão do senador Delcídio Amaral (PT/MS). O periódico destaca que Moro já descreveu uma ‘corrupção sistêmica, cuja última presa, Delcídio do Amaral, líder do governo no Senado e pertencente ao Partido dos Trabalhadores, foi colocado em prisão preventiva em fins de novembro, o que provocou reviravoltas no processo’.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoSérgio Moro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: