Para o e-commerce, a Black Friday já começou: como as marcas podem se preparar para a data mais aguardada do varejo

Para o e-commerce, a Black Friday já começou: como as marcas podem se preparar para a data mais aguardada do varejo

Marcela Rezende*

11 de novembro de 2021 | 05h30

Marcela Rezende. FOTO: DIVULGAÇÃO

O ano de 2020 foi marcado por um grande crescimento no e-commerce nacional, resultado dos novos hábitos desenvolvidos durante a pandemia da Covid-19. Diante desse cenário, a população passou a consumir online e a descobrir um novo mundo no e-commerce digital. Estima-se, segundo dados apurados no relatório Webshoppers 43, da Ebit/Nielsen e do Bexs Banco, que o comércio eletrônico avançou 41% em 2020, um grande salto de crescimento que veio acompanhado por grandes demandas e responsabilidades para o varejo. Nesse período, diversas empresas precisaram se reinventar e migrar seus negócios para o online, além de trabalharem para conquistar seu espaço no marketing digital.

Com o fechamento do comércio físico, as práticas tradicionais de divulgação de marca foram substituídas por ações com foco no online. Dessa forma, o marketing digital se tornou o principal vetor de comunicação entre marcas e consumidores finais, e com isso, novas tendências floresceram, como é o caso do social commerce, uma vertente do e-commerce que acontece de forma exclusiva, nas plataformas de redes sociais e segue ganhando espaço.

Assim, com a forte presença das marcas no digital, o e-commerce seguiu se fortalecendo, e, atualmente, o setor segue registrando aumento mesmo após mais de um ano de pandemia. De acordo com a pesquisa desenvolvida pela Ebit | Nielsen em parceria com o Bexs Banco para a 44ª edição do Webshoppers, durante o primeiro semestre de 2021, foi registrado um crescimento de 31%, comparado ao mesmo período do ano anterior.

Com esse aquecimento, as expectativas para a Black Friday de 2021 estão apuradas. O público em geral já espera grandes campanhas por parte do e-commerce, o que faz com que as marcas antecipem e fortaleçam ainda mais as suas ações no digital. As previsões para este ano são ainda mais promissoras do que as do ano passado, ainda de acordo com a Ebit Nielsen, é esperado uma alta de cerca de 26% para as vendas de e-commerce na Black Friday de 2021.

Dessa forma, a melhor maneira para as marcas se prepararem é investir com antecedência em ações focadas na Black Friday, apostar no marketing digital e estar em sintonia com as principais tendências do mercado, sendo este um grande diferencial. Vemos muitas campanhas de pré-black circulando nas redes sociais, o que reforça ainda mais o argumento de que para o e-commerce a Black Friday já iniciou e está a todo vapor. Para as marcas, é importante entender as demandas dos públicos-alvos e desenvolver campanhas e peças publicitárias que conversem com esses consumidores. O principal foco das empresas nesse momento, deve estar em promover uma experiência de compra promissora e diferenciada para os consumidores, é isso que irá promover, a curto prazo, a capitalização e fidelização de novos clientes.

*Marcela Rezende é VP de Marketing da MadeiraMadeira

Tudo o que sabemos sobre:

ArtigoBlack Friday

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.