Pandemia reforça necessidade de atenção à saúde corporativa

Pandemia reforça necessidade de atenção à saúde corporativa

Alexandre Máximo*

13 de maio de 2021 | 03h30

Alexandre Máximo. FOTO: DIVULGAÇÃO

A atual crise do COVID-19 está alertando empregadores à necessidade de proteger e promover a saúde e o bem-estar dos funcionários. Embora a pandemia tenha sido um ponto de atenção para algumas companhias, outras já perceberam há muito tempo que investir em programas de promoção à saúde e bem-estar pode ajudar a enfrentar desafios e alcançar resultados comerciais sustentáveis.

A saudabilidade dos funcionários é considerada um fator determinante para melhorar a competitividade da empresa no mercado. Quanto mais saudável e confortável o colaborador estiver, mais produtivo ele será em suas tarefas e ajudará no desenvolvimento dos negócios. O suporte médico auxilia na performance, tanto em resultados qualitativos como na comunicação e aumento da confiança, quanto em resultados quantitativos, potencializando o número de vendas e reduzindo os riscos de ausências.

A organização americana sem fins lucrativos The Health Project, por exemplo, concede prêmios anuais às empresas com programas comprovados de melhoria da saúde corporativa. A premiação tem como missão buscar, avaliar, promover e disseminar as lições aprendidas a partir de ações de promoção e prevenção de doenças, com influência de hábitos de saúde pessoal e uso econômico de recursos de saúde.

Para exemplificar tamanha relevância do tema no mercado norte-americano, o vencedor do último prêmio, a empresa Quest Diagnostics, ao aplicar o seu programa de saúde e bem-estar, conseguiu o gerar uma economia estimada de US$40 milhões em custos de saúde, alcançando melhorias mensuráveis em absenteísmo, turnovers e até em resultados laboratoriais de seus colaboradores.

No Brasil, várias organizações ainda acreditam que uma cultura de saúde corporativa depende somente de um bom plano de saúde, quando isso é apenas uma parte do que torna um funcionário saudável. É essencial, principalmente nos dias de hoje, que haja uma abordagem de saúde total do colaborador que inclua temas como prevenção de doenças, promoção do bem-estar do trabalhador, segurança no trabalho, programas de benefícios e padrões salariais. Tudo aplicado de forma sincronizada terá um impacto direto na produtividade.

Toda empresa pode ter um impacto útil ou prejudicial à saúde de seus colaboradores, seja pelo resultado dos produtos, condições de trabalho ou cadeias de valor. Ter consciência do papel como líder na promoção de uma cultura de saúde é o primeiro passo. Quando a liderança acredita que a saúde e o bem-estar são importantes para alcançar as metas corporativas, o retorno sobre o investimento em saudabilidade, pensando sempre no principal ativo das organizações – as pessoas – é certo!

*Alexandre Máximo é CEO da MediPreço

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.