Pandemia impulsiona a procura por casas e a presença de lojas em condomínios fechados

Pandemia impulsiona a procura por casas e a presença de lojas em condomínios fechados

Samuel Ferreira da Silva*

16 de agosto de 2020 | 04h00

Samuel Ferreira da Silva. Foto: Divulgação

Nos três primeiros meses deste ano, houve um aumento de 46,44% na busca por casas em condomínios, tendo por comparação o mesmo período de 2019, segundo informações da imobiliária Céu-Lar Netimóveis. Ainda de acordo com a pesquisa, entre abril e junho de 2020, a procura por casas em condomínios subiu 28,05% em comparação com o ano passado.

Um dos fatores que impulsionaram esse comportamento foi o isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus. Hoje, uma grande parcela da população está trabalhando em home office, e as crianças e adolescentes também estão estudando e passando a maior parte do dia em suas residências, isso fez com que vários consumidores procurassem por imóveis de maiores proporções e mais afastados das áreas centrais. Além de oferecer maior segurança e conforto, os condomínios também proporcionam um ritmo de vida mais tranquilo e sem as agitações de um ambiente urbano. Cômodos amplos, grandes varandas e sacadas, área verde e monitoramento de segurança se tornaram requisitos indispensáveis para a venda de imóveis em meio a pandemia.

A busca por casas em condomínios marca uma relevante mudança no comportamento do consumidor, que agora preza por ambientes que ofereçam maior qualidade de vida, mesmo que isso signifique gastos mais significativos. Atualmente, as casas se tornaram locais não só de descanso e convivência familiar, mas também de trabalho, estudos, terapia, recreação e dentre outras atividades. Com isso, a demanda por imóveis com espaços internos maiores e bem divididos, e áreas externas mais afastadas e próximas a natureza vem crescendo e continuará dessa maneira, mesmo depois de pandemia. Outro fator que também chama bastante a atenção das pessoas é a segurança oferecida pelos condomínios. Estes espaços contam com sistemas internos que previnem a ocorrência de roubos, furtos e outros tipos de casos de violência, e ainda possuem regras de conveniência que ajudam a evitar desentendimentos entres vizinhos e até mesmo a contaminação pela Covid-19. O foco agora é o bem-estar e a segurança.

Também vem crescendo a presença de estabelecimentos comerciais dentro de condomínios. Para estar mais próximo do consumidor e ainda contar com um sistema de segurança eficaz, vários proprietários de lojas e supermercados estão investindo na criação de unidades dentro dos condomínios. Sem deixar de lado os cuidados, para que não ocorram contaminações pelo novo coronavírus durante as compras, estes empresários estão apostando em ambientes modernos e totalmente digitalizados. Não há contato direto entre pessoas, pois os clientes podem fazer os pagamentos de suas compras pelo smartphone.

*Samuel Ferreira da Silva, gestor imobiliário do Grupo MBL (Silva Empreendimentos e Fonsil)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: