Pandemia deve intensificar transações de M&A no ensino superior privado no Brasil

Pandemia deve intensificar transações de M&A no ensino superior privado no Brasil

Guilherme Stuart*

24 de setembro de 2020 | 05h00

Guilherme Stuart. FOTO: DIVULGAÇÃO

O uso recorrente da tecnologia das comunicações on-line deve acelerar o processo de seleção natural corporativa na educação. Isso já aconteceu em outros setores como, por exemplo, na disputa entre o Uber e taxistas no transporte urbano e com o pioneirismo da Amazon no varejo, que incluiu a possibilidade de compras ao alcance de um clique em seu e-commerce. Tais ações trouxeram uma relevante experiência virtual para os clientes e transformaram o ambiente competitivo dos seus respectivos mercados, possibilitando às companhias mais adaptadas a chave para conquistarem a preferência dos consumidores.

O isolamento social provocado pela pandemia da Covid-19 enfatizou aos usuários contumazes a importância da comunicação on-line, e trouxe aos leigos uma experiência inovadora que solucionaria o impedimento da troca presencial no trabalho e na educação formal. Majoritariamente incipiente em suas resoluções técnicas e aplicações, o modelo educacional foi obrigado a fazer uso da internet e seu aparato tecnológico para prosseguir ministrando seus conteúdos. A pandemia, portanto, obrigou o experimento massivo das aulas on-line em todos os níveis educacionais.

Em um curto espaço de tempo foi necessário superar limitações e resistências, tanto dos profissionais quanto de alunos. É risível imaginar que a faculdade seja apenas um sistema de entrega de cursos que ocorre dentro de uma sala de aula. Existem fontes de valores, como o convívio social e o senso de pertencimento a um determinado grupo, que ainda tornam a experiência presencial extremamente relevante. Ainda assim, o ensino on-line se mostra eficiente e de baixo custo na democratização de conteúdo de qualidade, escancarando as diferenças entre os professores excelentes dos inabilitados.

O EAD, visto às vezes com certo desdém pelo ensino formal, tende a se qualificar, ganhar musculatura e impor-se como opção de enorme impacto quantitativo a preços acessíveis, além de fomentar a empregabilidade e renda, tão necessárias.

Sob a ótica de M&A, é possível, senão provável, que ocorra uma seleção natural acelerada entre as instituições de ensino à distância e que poucas empresas de grande escala e conteúdo de qualidade sobrevivam, já que a busca pelas melhores vai ser efetiva.

Deve-se considerar, também, que faculdades presenciais poderão oferecer um ensino híbrido, capaz de apresentar convenientemente o tema da matéria de maneira on-line, muitas vezes produzido por um excelente professor não-titular, complementado pela aula presencial, aberta principalmente para a resolução de exercícios, debates e compartilhamento de ideias. Aquelas instituições que não solucionarem a equação preço X qualidade, rapidamente terão dificuldades de percurso e sobrevivência.

Ironicamente, a pandemia se tornou um agente de aceleração de mudanças que podem trazer enormes benefícios para a educação brasileira. Essa é a minha torcida.

*Guilherme Stuart é sócio da RGS Partners

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.