Pandemia cria novo cenário corporativo

Pandemia cria novo cenário corporativo

Patricia Rodrigues*

26 de setembro de 2021 | 04h00

Patricia Rodrigues. FOTO: DIVULGAÇÃO

A pandemia antecipou uma verdadeira revolução nas empresas, não importando o tamanho e atividades de trabalho. Esse momento histórico impactou fortemente os sistemas econômico, social e de saúde em todo o mundo. Os reflexos dessa crise sem precedentes ressaltam novos modelos que eram tradicionais à construção de uma nova realidade profissional.

O mundo corporativo ganhou mais dinamismo nos últimos tempos, as empresas passaram de forma imediata por várias transformações, sociais e comportamentais, tendo que adquirir novas competências e habilidades.

As modificações ocorridas foram muitas, a maior delas foi a implantação do home office pelas empresas. A medida acelerou essa prática que até então era tomada somente por algumas empresas, limitada a alguns a dias da semana e apenas para poucos colaboradores.

A tecnologia inegavelmente tem sido uma grande aliada nessa fase de modernização, ela quem nos faz alcançar o mundo, sem nos mover do lugar. Ela quem nos migra a essa vida nova, com muitas possibilidades e facilitações, abrindo assim um universo cheio de benefícios e informações, bem como interações com trocas de experiências e construção de novas relações, mesmo à distância.

Podemos afirmar que as empresas desempenharam papéis de protagonistas diante de seus profissionais, clientes e da sociedade, como responsáveis na boa condução da operação de seus negócios e na ruptura da quebra da tradição e partida para o novo modelo corporativo. A preocupação com o capital humano aumentou, e um novo olhar foi adquirido em razão ao bem-estar-físico e mental entre todos da empresa. Diante disso, as empresas precisam de um sistema de monitoramento de saúde dos funcionários, garantindo segurança, estabelecendo diretrizes de proteção pessoal baseadas em fatos e regras, aumentando a conscientização sobre cuidados e prevenção de riscos.

Esse fato obriga as empresas adotarem políticas diferentes das anteriores, alertando seus colaboradores que as regras deverão ser respeitadas, percebe-se muito estresse por parte de muitos colaboradores e o fato de estarem sem a formalidade do ambiente de trabalho e sem a famosa gravata, podendo liberar comportamentos não profissionais.

Indiscutivelmente podemos afirmar que o home office ganhou força e chegou para ficar! Este estilo de trabalho otimiza tempo, aquece a economia, ao mesmo tempo que dá às pessoas a oportunidade de viver com mais saúde e bem-estar, isto se for bem administrado. Mas não podemos esquecer também que o home-office apresenta pontos negativos, os principais citados foram a falta de privacidade, com a interferência de assuntos domésticos em meio aos assuntos profissionais, outra questão importante a ressaltar é a falta de convivência, afinal os costumeiros cafezinhos, aquelas conversas de corredor já não fazem parte deste novo cenário, trazendo uma certa distância nas relações.

Mas é importante um alerta, o home-office pode causar um descompasso na vida do colaborador quando se trata de tempo. Sabemos que muitos ultrapassam de forma drástica o horário de trabalho, por conta de inúmeras reuniões online são obrigados a avançar a carga horária. Para tanto é necessário que a empresa fique atenta a saúde mental de cada colaborador e não permita desajustes como estes. É importante respeitar o início e término de cada jornada, não invadir horários das refeições, tudo deve ocorrer da mesma maneira que o trabalho presencial.

Já ficou constatado através de pesquisa que os colaboradores em sua grande maioria prefere trabalhar de forma hibrida, isto é, as companhias concedem autonomia para seus colaboradores escolherem como, onde e quando realizam suas atividades da melhor maneira possível. E sabe qual é a boa notícia? É que os escritórios funcionaram perfeitamente bem dessa forma e, em contrapartida, os colaboradores conseguiram produzir até mais de forma remota do que de forma presencial. Estabelecendo assim um novo cenário profissional, mais flexível, econômico e com maior qualidade de vida entre todos.

Por fim, a pandemia deixa um grande legado. Precisamos cada vez mais de líderes conscientes, inspiradores e corajosos para fazer valer todas essas transformações e mudanças, na certeza que seguiremos em frente na condição de aprendizes, descobrindo e se adaptando a esse novo cenário.

*Patricia Rodrigues, gerente administrativa da Attend Assessoria Consultoria e Auditoria S/S

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.