Palocci pede habeas ao Supremo

Palocci pede habeas ao Supremo

Depois de a Corte máxima mandar soltar José Carlos Bumlai, João Claudio Genu e José Dirceu, condenados na Lava Jato, ex-ministro dos Governos Lula e Dilma, preso desde setembro de 2016, alegou por sua defesa 'indisfarçável e hialino constrangimento ilegal'

Fabio Serapião e Fausto Macedo

03 de maio de 2017 | 12h10

Antonio Palocci. Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters

O ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda/Casa Civil-Governos Lula e Dilma) também quer habeas corpus. Por seus advogados de defesa, em pedido de 166 páginas ao Supremo Tribunal Federal, Palocci alega que sofre ‘indisfarçável e hialino constrangimento ilegal, consubstanciado na decretação da sua prisão preventiva à absoluta míngua de justa causa e ao arrepio da lei’.

O pedido é datado de 26 de abril, apenas 24 horas depois de o Supremo mandar soltar dois condenados da Lava Jato, o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula, e o ex-tesoureiro do PP, João Cláudio Genu – nesta terça-feira, 2, o Supremo soltou mais um personagem emblemático da Lava Jato, o ex-ministro da Casa Civil (Governo Lula), José Dirceu.

O pedido de Palocci é subscrito por uma equipe de quatro advogados seus, todos do escritório José Roberto Batochio Advogados Associados.

O habeas ataca decisão do Superior Tribunal de Justiça por ‘encampar ilegalidade’ ao não acolher o pedido anteriormente apresentado à Corte ‘a despeito da flagrante ilegalidade formal e material do édito prisional e de se acharem ultrapassados todos os prazos razoáveis para a formação da culpa’.

Um dos argumentos da defesa de Palocci é o ‘excesso no prazo havido como razoável para a formação da culpa, também a reclamar a concessão da ordem de habeas corpus, ainda que de ofício’.

“Não pode haver ‘cegueira hermenêutica deliberada’ na Corte Constitucional quando, por qualquer que seja o meio ou de que forma for, lhe seja trazida ao conhecimento coação ilegal que afronte o Texto Magno”, sustentam os advogados.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: