Os 3 lugares ‘críticos’ de Curitiba, no dia D da Lava Jato

Os 3 lugares ‘críticos’ de Curitiba, no dia D da Lava Jato

Prédio da Justiça Federal, Praça Santos Andrade, em frente à Universidade Federal do Paraná, e Museu Oscar Niermeyer têm manifestações previstas, nesta quarta, 10, quando Lula será interrogado pelo juiz Sérgio Moro

Ricardo Brandt, Valmar Hupsel, Ricardo Galhardo e Daniel Weterman, enviados especiais a Curitiba

10 de maio de 2017 | 12h12

Juiz Sérgio Moro: a caminho do interrogatório de Lula. REUTERS/Rodolfo Buhrer

Com 13 graus no termômetro, o dia D da Operação Lava Jato começou com uma densa nuvem cinza estacionada sobre Curitiba. Às 14 horas, Luiz Inácio Lula da Silva será interrogado pelo juiz federal Sérgio Moro, no processo em que é réu, acusado de receber R$ 3,7 milhões de propinas da OAS, no tríplex do Guarujá (SP) e no custeio da guarda de bens pessoais da fase posterior à Presidência.

Titular da 13ª Vara Federa, em Curitiba, Moro deixou sua residência, um prédio no bairro Bacacheri. Era 7 horas e 30 minutos, quando o repórter fotográfico Rodolfo Buhrer registrou a saída. Terno preto, gravata vermelha, carregava a agenda e uma sacola plástica – comida para a longa tarde à frente – quando entrou no carro dos seguranças da Justiça Federal que fazem sua escolta.

Origem da Lava Jato, o magistrado vive sob cuidados especiais, desde que colocou na cadeia políticos e empresários poderosos que provocaram um desfalque de mais de R$ 40 bilhões na Petrobrás, em dez anos de governos do PT.

Pela primeira vez, Moro estará frente a frente com Lula, que segundo a força-tarefa da Lava Jato é o “general” do mega esquema de cartel e corrupção instalado na Petrobrás, em 2004. Uma máquina de propinas e caixa 2 que abasteceu, em especial, PT, PMDB e PP – partidos da base – e outras legendas, de situação e oposição, como o PSDB.

Pontos críticos. O prédio da Justiça Federal, no bairro do Ahú, é nesta quarta-feira, 10, uma área de segurança pública. A área está “guarnecida”, como afirmou o secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná, Wagner Mesquita.

Um exército de policiais militares isola o local, que está com acesso “congelado” dentro de um raio de 150 metros de seu entorno.

A Justiça Federal é o ponto de maior atenção das autoridades de segurança: polícias federal, militar e civil, bombeiros, defesa civil e guarda estão mobilizados na operação do dia D da Lava Jato.

Outros dois locais – cartões postais da capital paranaense – também são considerados áreas críticas, segundo as autoridades de segurança: a Praça Santos Andrade, frontal à Universidade Federal do Paraná, e o Museu de Arte Moderna Oscar Niemayer.

Policiais militares: cordão de isolamento na Justiça. Foto Werther Santana/Estadão

“A Santos Andrade, o Museu do Olho e a Justiça Federal são três pontos críticos de hoje. Se a população puder evitar, a gente solicita que evite.” O alerta é do secretário de Segurança Wagner Mesquita.

Na praça em frente à Universidade Federal estarão os apoiadores de Lula, grupo formado em maioria por membros do MST, que estão acampados desde terça-feira, em uma área da União, atrás da rodoviária da cidade. No “museu do Olho”, como é conhecido o MOM, estarão os grupo de apoio à Lava Jato e a Moro.

“Teremos três locais de maior atenção nesta quarta-feira. O próprio prédio da Justiça Federal, que desde as 23 horas de ontem, a Avenida Anita Garibaldi, que é a principal avenida da frente do prédio, já estava bloqueada, e outros seis pontos”, explicou o secretário.

“O Museu do Olho também que vai concentrar os grupos de apoio da Lava Jato. Então a polícia vai estar lá para garantir uma manifestação pacífica e tranquila. E o grupo de apoio ao presidente Lula vai ocupar o prédio da Santos Andrade. Já está sendo montado um palco lá, para suas manifestações que acharem devida.”

O depoimento de Lula deve terminar antes das 17 horas. À partir desse horário, a previsão é que a concentração de manifestantes, contra e a favor, aumente nos dois pontos turísticos de Curitiba.

E a previsão, para o final da tarde, é de chuva na capital paranaense, e mais frio.

 

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoLuladia D da Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.