Operadores do PMDB são transferidos para a capital da Lava Jato

Operadores do PMDB são transferidos para a capital da Lava Jato

Jorge Luz e Bruno Luz, alvos da 38ª fase batizada de Operação Blackout, serão transferidos de Brasília, onde estão detidos desde sábado, quando chegaram dos Estados Unidos, para Curitiba

Fausto Macedo, Julia Affonso e Ricardo Brandt

02 Março 2017 | 11h01

JORGE E BRUNO LUZ

Os lobistas Jorge Luz e Bruno Luz, acusados de serem os maiores operadores de propinas do PMDB na Petrobrpas, desembarcam nesta quinta-feira, 2, em Curitiba, a capital da Operação Lava Jato. Eles ficarão detidos na Custódia da Superintendência Regional da Polícia Federal.

Os dois operadores do PMDB – pai e filho – estavam detidos em Brasília desde sábado, 25. Os dois tiveram prisão preventiva decretada pelo juiz federal Sérgio Moro, como alvos centrais da 38ª. fase da Lava Jato, batizada de Blackout, deflagrada no dia 23. Eles foram presos no sexta-feira, 24, nos Estados Unidos.

A Polícia Federal vai ouvir os depoimentos de Jorge Luz e Bruno Luz, mas não há data ainda para o interrogatório. Os lobistas são suspeitos de terem movimentado pelo menos US$ 40 milhões em propinas em negócios na Petrobrás, em especial, para agentes públicos e políticos do PMDB.

Os lobistas ficarão detidos na carceragem da PF, onde estão também o empresário Marcelo Bahia Odebrecht, o ex-ministro Antonio Palocci, entre outros.

 

Mais conteúdo sobre:

operação Lava Jato