Operadores do PMDB são presos em Miami

Operadores do PMDB são presos em Miami

Jorge Luz e seu filho Bruno, alvos da Operação Blackout, 38ª fase da Lava Jato, e procurados pela Interpol, foram pegos pela imigração americana por estarem em situação irregular nos EUA

Fausto Macedo, Julia Affonso, Mateus Coutinho e Ricardo Brandt

24 de fevereiro de 2017 | 13h24

jorgeluzinterpol

Os operadores do PMDB Jorge e Bruno Luz, pai e filho respectivamente, foram presos nesta sexta-feira, 24, em Miami, nos Estados Unidos, depois que a Interpol colocou seus nomes na lista vermelha de procurados. Os lobistas são alvo da Operação Blackout, 38ª fase da Lava Jato, deflagrada na quinta-feira, 23, e foram dados como foragidos internacionais.

Em petição encaminhada à Justiça Federal no Paraná, os defensores dos lobistas informaram que eles retornam ao Brasil às 8h da manhã deste sábado, 25, chegando no aeroporto de Brasília em um voo comercial. Em nota, a PF confirmou que ‘Jorge Luz e Bruno Luz foram presos no Estados Unidos pela polícia de imigração daquele país’.

“Ao que tudo indica no momento, eles haviam omitido informações às autoridades americanas e também estariam irregulares. Ainda não há previsão de eventual extradição ao Brasil ou expulsão”, diz a PF. A defesa nega que eles estejam irregulares e afirma que os dois retornaram ao País por “livre vontade”.

Bruno deixou o Brasil no dia 16 de agosto e seu pai Jorge no último dia 11 de janeiro. Ambos viajaram para os Estados Unidos e, segundo a Operação Blackout, não havia registro de que tenham retornado ao País.

De acordo com a Procuradoria da República, Jorge Luz e Bruno Luz têm quatro negócios da Petrobrás que supostamente envolveram propina. Na lista estão a compra do navio-sonda Petrobrás 10.000, o contrato de operação do navio-sonda Vitória 10.000, a venda da empresa Transener e o fornecimento de asfalto pela empresa Sargeant Marine.

brunoluzinterpol

De acordo com o procurador da República, Diogo Castor de Mattos, da força-tarefa da Operação Lava Jato, ‘agentes políticos do PMDB no Senado’ foram beneficiários de parte dos US$ 40 milhões de propina supostamente repassados pelos operadores do partido Jorge Luz e Bruno Luz. Pai e filho, afirmou o investigador, tiveram uma ‘atuação de longa data’ no esquema de corrupção instalado na Petrobrás, segundo o procurador.

“Há estimativas da Procuradoria-Geral da República de que essas pessoas (Jorge e Bruno Luz) movimentaram em torno de US$ 40 milhões em pagamentos indevidos. Os beneficiários eram diretores e gerentes da Petrobrás e também pessoas com foro privilegiado, agentes políticos relacionados ao PMDB. Há elementos que apontam que agentes políticos do Senado, ainda na ativa, foram beneficiários de parte desses pagamentos”, afirmou.

Alvos da Operação Blackout, os operadores do PMDB usaram contas de empresas offshores no exterior para pagar propina ‘de forma dissimulada’, segundo a Procuradoria da República. Durante as investigações, afirma a força-tarefa da Lava Jato, foram identificados pagamentos em contas na Suíça e nas Bahamas.

Jorge Luz e Bruno Luz são investigados por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, ‘suspeitos de intermediar propina de forma profissional e reiterada na diretoria Internacional da Petrobrás, com atuação também nas diretorias de Serviço e Abastecimento da estatal’.

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA GUSTAVO PINTO TEIXEIRA, QUE DEFENDE BRUNO E JORGE LUZ:

“A defesa de Jorge e Bruno luz afirma que seus clientes estão regressando ao Brasil por meios próprios, sem estarem presos, muito menos algemados, apresentando-se de forma espontânea às autoridades brasileiras.”

 

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoPMDBJorge Luz

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.