Operador relatou ‘comissão’ a Lobão em contrato da Petrobrás, diz PF

Operador relatou ‘comissão’ a Lobão em contrato da Petrobrás, diz PF

Delegado da Operação Abate II informou que Jorge Luz, ligado ao PMDB, revelou repasses a representante do senador

Luiz Vassallo

23 Agosto 2017 | 13h31

Edison Lobão. Foto: DIda Sampaio/Estadão

O delegado da Polícia Federal Filipe Hille Pace declarou, nesta quarta-feira, 23, que o operador de propinas Jorge Luz revelou, em depoimento, que o senador Edison Lobão (PMDB/MA) recebia uma ‘comissão’ sobre os contratos entre a Petrobrás e a empresa Sargeant Marine, por meio de um intermediário. De acordo com o delegado, a Operação Abate II, que tem como alvo a participação do advogado Tiago Cedraz – filho do ministro do TCU Aroldo Cedraz -, nos esquemas da estatal, não mirou o senador e seu suposto representante em razão do foro privilegiado do peemedebista.

+ Ex-assessora de Vaccarezza é alvo de buscas da Lava Jato
+ Moro bloqueia R$ 6 mi de Tiago Cedraz e mais um alvo da Abate II
+ PF acha ‘Tiago acompanhando’ em planilha de ‘esquema criminoso’
+ A ordem de Moro para buscas na casa de Cedraz, filho de ministro do TCU

O negócio da Sargeant Marine com a Petrobrás culminou na celebração de doze contratos, entre 2010 e 2013, no valor de aproximadamente US$ 180 milhões. A empresa fornecia asfalto para a estatal e foi citada na delação do ex-diretor de Abastecimento da companhia Paulo Roberto Costa.

Segundo Jorge Luz, Edison Lobão teria sido, ao lado do ex-deputado Cândido Vaccarezza, padrinhos políticos do contrato. Vaccarezza não desfruta mais de foro especial. Na sexta-feira, 18, ele foi preso por ordem do juiz federal Sérgio Moro. Na noite desta terça, 22, o ex-líder dos Governos Lula e Dilma na Câmara foi solto.

No âmbito do termo para fornecimento de asfalto, Vaccarezza é investigado por propinas de US$ 500 mil; já Lobão e seu suposto representante, Murilo Barbosa Sobrinho, são atrelados a repasses de US$ 450 mil em planilhas de pagamentos via offshore entregues pelos operadores de propinas.

“Em virtude da proximidade do então agente da Petrobrás Márcio Aché com o Murilo, que seria o representante dos interesses de Lobão, foi acomodado uma parte dos valores que eram recebidos da comissão pelos contratos da Sargeant Marine para o senador. Isso foi dito pelos operadores, já está em sigilo e contra isso não foram tomadas medidas nenhuma aqui na primeira instância”, afirmou o delegado da PF.

O operador Jorge Luz ainda relata que a ascensão do ex-gerente Marcio Aché na Petrobrás se deve ao suposto representante do peemedebista.
Já Bruno Luz relatou que na medida em que Edison Lobão passou a ter representação nos assuntos’ entre a estatal e a Sargeant Marine, ‘houve reclamação das demais pessoas do grupo’ envolvido na intervenção no âmbito do fornecimento de cimento, ‘uma vez que a operação já contava com apoio de Paulo Roberto Costa; que, nada obstante, a entrada de Lobão foi imposição de Márcio Aché como uma espécie de “seguro” para que não houvesse futuros problemas nos contratos; que Murilo efetivamente participou de algumas reuniões e até recebeu dinheiro da operação; que Luiz Eduardo Loureiro Andrade e Márcio Aché atuavam nos repasses de recursos a Murilo; que acreditava que eles indicavam contas no exterior para esse fim’.

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA ANTÔNIO CARLOS DE ALMEIDA CASTRO KAKAY, QUE DEFENDE LOBÃO

“O senador não conhece nem pai nem filho, nunca ouviu falar nesta empresa que eles citam e não tem nenhum tipo de relação e nunca esteve pessoalmente com eles – salvo se participaram de alguma audiência pública. E, sobre a outra pessoa [Murilo], ele conhece, tem um relacionamento pessoal, mas nunca participou de campanha de arrecadação para ele.”

Mais conteúdo sobre:

Edison Lobãooperação Lava Jato