Operador do PMDB se entrega à PF e não descarta delação

Operador do PMDB se entrega à PF e não descarta delação

Apontado por Costa e Youssef, Fernando Baiano era procurado desde sexta-feira e avalia se melhor estratégia é ‘abrir o jogo

Redação

18 de novembro de 2014 | 16h33

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, e Fausto Macedo

Atualizado às 22h15 – O empresário Fernando Antonio Falcão Soares, o Fernando Baiano, entregou-se nesta terça-feira, 18, à Polícia Federal em Curitiba, depois de permanecer foragido desde sexta-feira, quando foi desencadeada a sétima fase da Operação Lava Jato, batizada de Juízo Final. Amparados na delação premiada do ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa, os investigadores atribuem a Fernando Baiano o papel de lobista e operador do PMDB no esquema de propinas e corrupção na estatal.

Fernando Baiano deve depor nesta quarta. Em princípio, seus defensores não querem admitir delação premiada, mas a hipótese não está totalmente descartada. Os investigadores consideram que, se o investigado contar tudo o que sabe, o ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque e outros ex-dirigentes da estatal ficarão em “uma situação terrível”.

O empresário não quer “ficar para trás”. Se outros alvos da Lava Jato o acusarem como personagem importante no esquema, ele também poderá “abrir o jogo”. “Com tanta mentira sobre a minha pessoa, resolvi me apresentar”, disse Fernando Baiano aos policiais federais que o receberam.

Veja também:

Suspeitos souberam antes da operação, indica PF

CPI mista aprova quebra de sigilo de João Vaccari Neto

Infográfico: Entenda a 7ª etapa da operação

A prisão em regime temporário foi requerida pelo Ministério Público Federal. Os procuradores que integram a força-tarefa da Lava Jato identificaram uma estreita parceria entre o lobista e Duque, indicado para o cargo pelo PT.

Costa e o doleiro Alberto Youssef afirmaram que o mesmo “esquema criminoso” que desviou e lavou 2% ou 3% de todo contrato da área da Diretoria de Abastecimento da Petrobrás também existia em outras unidades, “especialmente na Diretoria de Serviços, ocupada por Renato Duque, e na Internacional, ocupada por Nestor Cerveró”.

ABAIXO, O DOCUMENTO ATESTANDO O CUMPRIMENTO DO MANDADO DE PRISÃO DE FERNANDO SOARES

mandadofsoares

Segundo a Procuradoria da República, Fernando Baiano “estava encarregado da lavagem e distribuição de recursos para agentes públicos relacionados ao PMDB”.

Remanescente. O MPF sustenta que na própria Diretoria de Abastecimento 1% era lavado e distribuído por Youssef, “enquanto o remanescente era lavado e distribuído por outros operadores, como Fernando Soares, vulgo Fernando Baiano”.

Dois executivos ligados à Toyo Setal Empreendimentos, Augusto de Mendonça Junior e Julio Camargo confirmaram as informações de Costa e do doleiro “a respeito do pagamento de valores por contratos da Petrobrás a Renato Duque e a Fernando Soares”.

A PF apreendeu papéis e planilhas com menções de valores devidos ou pagos ao lobista que se identifica como representante de duas empresas espanholas. A investigação mostra que Fernando Baiano também teria tido atuação em negócios da Transpetro, subsidiária que atua no setor de navios da Petrobrás.

A Justiça Federal decretou a quebra do sigilo bancário de Fernando Baiano, Renato Duque e três empresas de “consultoria” por eles controladas, para recebimento de propinas, segundo os investigadores – Technis Planejamento e Gestão em Negócio, Hawk Eyes Administração e D3TM Consultoria e Participações Ltda.

A estratégia inicial da defesa era tentar derrubar a ordem de prisão por meio de pedido de habeas corpus, que foi apresentado ao Tribunal Regional Federal da 4.ª Região. Nesta manhã, o criminalista Mário de Oliveira Filho reuniu-se com o investigado e ambos decidiram que o “melhor caminho” era a apresentação à PF.

“Amanhã (hoje) o sr. Fernando vai depor. Ele está disposto a responder a todas as perguntas, mas sobre o conteúdo das delações premiadas não há como responder sem saber o que realmente existe”, disse Oliveira Filho, em referência aos relatos de Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef, mantidos sobre segredo pelo Supremo Tribunal Federal.

Segundo criminalista, o próprio Fernando Baiano decidiu se apresentar. “Temos esperança de que tudo será esclarecido”, disse o advogado.

Tudo o que sabemos sobre:

Fernando Baianooperação Lava JatoPMDB