Operador de propinas diz que repassou US$ 4,5 mi para campanha de Dilma em 2014

Operador de propinas diz que repassou US$ 4,5 mi para campanha de Dilma em 2014

Preso desde 23 de fevereiro, Zwi Skornicki repassou valor para a conta secreta na Suíça do marqueteiro do PT João Santana; jornal 'O Globo' informa que novo delator contou que dinheiro foi destinado à reeleição da petista, via João Vaccari

Redação

08 de junho de 2016 | 17h30

Zwi Skornicki é apontado como um dos operadores de propina na Petrobrás. Foto: Reprodução/Facebook

Zwi Skornicki é apontado como um dos operadores de propina na Petrobrás. Foto: Reprodução/Facebook

Atualizada às 20h11

O lobista Zwi Skornicki, apontado como operador de propinas pela Operação Lava Jato, fechou acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal. Preso desde 23 de fevereiro de 2016, Zwi Skornicki repassou US$ 4,5 milhões para a conta secreta na Suíça do marqueteiro do PT João Santana – preso com a mulher, Mônica Moura, em Curitiba, alvos da Operação Acarajé, desdobramento da Lava Jato. Informação publicada no jornal O Globo diz que o novo delator já revelou que o valor foi solicitado pelo então tesoureiro do PT João Vaccari Neto ‘para ajudar a financiar a campanha de reeleição de Dilma Rousseff’.

A informação sobre a delação de Zwi Skornicki foi revelada pela repórter Camila Bonfim, da TV Globo, nesta quarta-feira, 8.

Entre 2013 e 2014, Zwi recebeu comissões milionárias pelo seu trabalho de intermediador de contratos das empresas Queiroz Galvão, Iesa, Saipem, Ensco e UTC – as quatro primeiras negam irregularidades. Há ainda pagamentos regulares por outras que não são alvo da Lava Jato, como a Siemens, Doris, Megatranz, Frasopi e Sotreq.

[veja_tambem]

A força-tarefa chegou aos US$ 4,5 milhões transferidos pelo lobista para o marqueteiro do PT analisando os recebimentos da conta mantida por ele no Banke Heritage, na Suíça, em nome da offshore Shellbill Finance SA. Ao todo, foram identificados 9 depósitos na Shellbill – de João Santana -, que passaram pela agência do Citibank em Nova Iorque, tendo como pagador contas de outra offshore, a Depp Sea Oil, que pertence a Zwi Skornicki.

Zwi Skornicki é réu em ação penal na Lava Jato. A força-tarefa aponta propinas nos contratos da Petrobrás com a empresa de Singapura Keppel Fels e também nos contratos da Sete Brasil com o estaleiro da Keppel que teriam somado US$ 216 milhões em propinas. No caso da Petrobrás, foram apontadas propinas de 1% para a Diretoria de Serviços da estatal que somaram R$ 30,4 milhões nos contratos de construção das plataformas P-51, P-52, P-56 e P-58, em 2003, 2004, 2007 e 2009, respectivamente. Apesar de serem firmados com a Diretoria de Exploração e Produção, segundo o MPF, os contratos envolveram pagamentos de propina à Diretoria de Serviços, pela qual passavam todos os contratos da estatal e que era cota do PT.

Deste porcentual da propina, metade ia para a “casa”, referência ao então diretor Renato Duque e ao gerente Pedro Barusco, ambos presos e condenados na Lava Jato, e a outra metade para a o PT, via João Vaccari Neto. Nesta acusação, porém, o Ministério Público Federal afirma que parte da propina devida ao PT foi descontada por meio de pagamentos à conta Shellbil, mantida por João Santana e Mônica Moura na Suíça e que só veio a ser declarada após a Lava Jato.

Estes pagamentos da Keppel teriam sido intermediados por Zwi Skornicki, acusado de ser operador de propinas no esquema de corrupção na Petrobrás.

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA LUIZ FLÁVIO BORGES D’URSO, DEFENSOR DE JOÃO VACCARI NETO:

O criminalista Luiz Flávio Borges D’Urso, defensor do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, rechaçou a denúncia de Zwi Skornicki. “Ele (Zwi Skornicki) é delator, não é? Inicialmente, eu afirmo que isso não procede. Não passa de palavra de deltor, sem nenhuma comprovação ou credibilidade. Até porque o sr. Vaccari era tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, jamais tendo funcionado como tesoureiro de campanha de quem quer que seja.”

COM A PALAVRA, A ASSESSORIA DE DILMA:

“A Presidenta Dilma Rousseff rechaça a insinuação de que teria conhecimento de um suposto pedido de R$ 4,5 milhões feito pelo tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, ao representante no Brasil do estaleiro Keppel Fels, Zwi Skornicki, para a campanha da reeleição.

Como esclareceu em diversas ocasiões, é público e notório que o tesoureiro da campanha da reeleição foi o ex-ministro Edinho Silva. Ele é quem tratava da arrecadação para a campanha em 2014. Todas as doações de empresas foram legais e estão na prestação de contas aprovada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A campanha caluniosa de uma parte da imprensa contra a honra da Presidenta Dilma Rousseff não se sustenta porque está baseada em ilações e suposições. Não há provas ou evidências de fraude ou crime eleitoral.

Por último, a Presidenta Dilma Rousseff reafirma que os recursos pagos a João Santana para a campanha da reeleição em 2014 totalizam R$ 70 milhões – R$ 50 milhões no primeiro turno e R$ 20 milhões no segundo turno.

O ataque promovido por setores da imprensa não irá prevalecer. A Presidenta Dilma Rousseff vai vencer a onda de novas calúnias e difamações dirigidas contra a sua honra. A verdade será restabelecida na Justiça.

ASSESSORIA DE IMPRENSA
PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF”

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoZwi Skornicki

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: