Operador de Dirceu também se entrega

Operador de Dirceu também se entrega

Fernando Antonio Guimarães Hourneaux de Moura, apontado como lobista e operador do ex-ministro da Casa Civil, chegou à Polícia Federal em Curitiba na tarde desta sexta-feira, 18

Julia Affonso e Fausto Macedo

18 Maio 2018 | 17h45

O lobista Fernando Antônio Guimarães Hourneaux de Moura durante depoimento na CPI da Petrobras, na sede da Justiça Federal, em Curitiba (PR). Foto: RODRIGO FÉLIX LEAL/FUTURA PRESS

O lobista Fernando Antonio Guimarães Hourneaux de Moura, apontado como operador do ex-ministro José Dirceu (Casa Civil/Governo Lula), também se apresentou à Operação Lava Jato. Na tarde desta sexta-feira, 18, Moura chegou à sede da Polícia Federal, em Curitiba. Ele foi condenado no mesmo processo em que o petista pegou 30 anos, 9 meses e dez dias de reclusão, por corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro supostamente desviado de contrato com a Petrobrás.

Na tarde da quinta-feira, 17, a juíza Gabriela Hardt, substituta do juiz Sérgio Moro, determinou a Moura e a Dirceu que se entregassem à Polícia Federal. O ex-ministro se entregou em Brasília e já começou a cumprir pena na Penitenciária da Papuda.

Moura foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) a 12 anos e 6 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. O lobista fechou delação com a Lava Jato, mas violou o acordo e perdeu os benefícios de redução de pena.

Em depoimento prestado a Moro, durante a instrução do processo que pegou Dirceu, o lobista mudou a versão que havia apresentado em sua delação.

Segundo a sentença do juiz da Lava Jato, em primeira instância, Moura sugeriu ‘que teriam sido inseridos indevidamente trechos em seus depoimentos prestados na fase de investigação preliminar’.

“As idas e vindas dos depoimentos de Fernando Antônio Guimarães Hourneaux de Moura, impactaram de forma irrecuperável a sua credibilidade”, anotou Moro, na ocasião.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoJosé Dirceu