Operação Santinhos prende Pastor Manuel Marcos e Dra Juliana, deputados eleitos no Acre

Operação Santinhos prende Pastor Manuel Marcos e Dra Juliana, deputados eleitos no Acre

Ação deflagrada nesta terça, 11, mira parlamentares do PRB por supostos desvios de recursos do fundo partidário e do fundo especial de financiamentos de campanha

Julia Affonso

11 Dezembro 2018 | 12h35

Pastor Manuel Marcos e Dra Juliana. Foto: Câmara dos Vereadores e Assembleia Legislativa

A Polícia Federal prendeu nesta terça-feira, 11, dois deputados eleitos em outubro no âmbito da Operação Santinhos. A investigação mira desvios de recursos públicos do fundo partidário e do fundo especial de financiamentos de campanha, além de outros crimes eleitorais e lavagem de capitais.

Foram capturados o deputado federal eleito Pastor Manuel Marcos – atual presidente da Câmara de Rio Branco – e a estadual eleita Doutora Juliana. Ambos são do PRB.

O pastor recebeu 7.489 votos ou 1,76%. Já Doutora Juliana levou 5.990 votos ou 1,41%.

Em nota, a PF informou que mais de 100 policiais federais de vários estados auxiliaram no cumprimento de 17 mandados de busca e apreensão em residências e gabinetes de investigados, em órgãos públicos, na Câmara de vereadores e na Assembleia Legislativa do Acre.

Também foram cumpridos 8 mandados de prisão expedidos pela Justiça Eleitoral do Acre.

COM A PALAVRA, O DEPUTADO PASTOR MANUEL MARCOS

A reportagem fez contato com a presidência da Câmara de Vereadores de Rio Branco. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, A DEPUTADA DRA JULIANA

A reportagem tentou contato com o gabinete da deputada por meio da Assembleia Legislativa. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, A O GOVERNO DO ACRE

NOTA OFICIAL

O governador Tião Viana já esteve na Polícia Federal, colaborando com a investigação da Operação Santinhos, e foi recebido de maneira muito profissional em consonância com a missão constitucional do órgão, sendo tratado com respeito e dignidade.

A equipe da Polícia Federal agradeceu a pronta colaboração do governador que, mesmo diante de sua prerrogativa, se propôs a ir de imediato à instituição. Para não atrapalhar a investigação, que segue em segredo de justiça, ele se reserva a não se manifestar.

Durante o processo eleitoral deste ano, o governador Tião Viana por várias vezes procurou a Polícia Federal para falar de indícios de uma violenta compra de votos que estaria ocorrendo no Acre.

Rio Branco, Acre, 11 de dezembro de 2018

Secretaria de Estado de Comunicação do Acre

Mais conteúdo sobre:

AcrePolícia Federal