Operação que fez buscas contra mulher de Marcola investiga rede de familiares usados para lavar dinheiro para o chefão do PCC

Operação que fez buscas contra mulher de Marcola investiga rede de familiares usados para lavar dinheiro para o chefão do PCC

Estadão teve acesso a documentos enviados pelo Ministério Público de São Paulo e pela Polícia Civil do Estado ao Tribunal de Justiça paulista para obter autorização ao cumprimento de mandados de busca e apreensão na quarta-feira, 16

Rayssa Motta e Fausto Macedo

17 de dezembro de 2020 | 13h08

Agentes fizeram buscas na casa da mulher de Marcola. Foto: Reprodução/Polícia Civil de São Paulo

Nos documentos enviados ao Tribunal de Justiça de São Paulo pedindo autorização judicial para vasculhar endereços ligados a familiares de Marco Williams Herbas Camacho, o Marcola, apontado como chefe do Primeiro Comando da Capital (PCC), o Ministério Público de São Paulo e a Polícia Civil do Estado descrevem como o narcotraficante usaria a família para lavar o lucro do tráfico de drogas. Os mandados de busca e apreensão começaram a ser cumpridos nesta quarta-feira, 16, para aprofundar a investigação.

Documento

Documento

A operação é feita por policiais da 6ª Delegacia de Investigações sobre Facções Criminosas e Lavagem de Dinheiro do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) e tem como um dos alvos Cynthia Giglioli da Silva, mulher de Marcola, os pais dela, Marivaldo da Silva Sobrinho e Maria do Carmo Giglioli da Silva, e Camila Giglioli da Silva, Christiano Giglioli da Silva e Francisca Alves da Silva, cunhados do traficante.

Marcola é apontado como chefe máximo do PCC. Foto: Paulo Liebert/Estadão

A apuração que levou às buscas, iniciada em janeiro do ano passado, mira a evolução patrimonial do grupo que, segundo as autoridades, é incompatível com a renda. O ponto de partida foi a compra de um imóvel de luxo em um condomínio em Carapicuíba, na Grande São Paulo. Depois disso, os investigadores rastearam transações imobiliárias milionárias entre os investigados e conseguiram a quebra dos sigilos fiscal e bancário. A suspeita é que as movimentações sejam simuladas e tenham sido subfaturadas como estratégia para ocultar pelo menos R$ 1,9 milhão.

Trecho do documento encaminhado pelo Ministério Público ao Tribunal de Justiça de São Paulo. Foto: Reprodução

“É certo que a facção criminosa PCC tem proporcionado às lideranças e familiares uma vida de luxo”, diz a o Grupo de Atuação Especial de Combate do Crime Organização (Gaeco) do Ministério Público de São Paulo. “De modo geral, verificou-se um grande descompasso entre o acervo patrimonial (imóveis, veículos, etc.) e a movimentação financeira que justificasse as aquisições”, completa o MP.

Cynthia, por exemplo, vive hoje em um condomínio em Alphaville, na Grande São Paulo. Entre os anos de 2017 e 2019, ela teria feito viagens para a Europa, Colômbia, Peru, Paraguai e Panamá. Como fonte de renda, tem um salão de beleza no bairro de Casa Verde, na zona norte da capital paulista. A mulher de Marcola já foi condenada, em janeiro de 2008, a oito anos de prisão por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Trecho do documento enviado pela Polícia Civil ao Tribunal de Justiça de São Paulo. Foto: Reprodução

Em outra frente, a Polícia Civil de São Paulo investiga ainda se postos de combustíveis ligados à família Kastropil também estão sendo usados para a lavagem de dinheiro da facção criminosa. Em setembro, a Operação Rei do Crime revelou uma rede de 73 empresas suspeitas ligadas, sobretudo, a postos e lojas de convivências que seriam usadas para movimentar R$ 30 bilhões do tráfico.

Tudo o que sabemos sobre:

PCC [Primeiro Comando da Capital]

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.