Operação prende sindicalista por engano

Operação prende sindicalista por engano

O equívoco foi identificado graças à ajuda de outro detido, e Ruy Queiroz de Amorim foi liberado no mesmo dia

Breno Pires/BRASÍLIA

06 Junho 2018 | 21h58

Ruy Amorim em Sorocaba. FOTO: EPITÁCIO PESSOA/ESTADÃO

A Polícia Federal prendeu por engano o sindicalista Ruy Queiroz de Amorim na Operação Registro Espúrio, no dia 30 de maio, em Sorocaba (SP). O equívoco foi identificado graças à ajuda de outro preso, e Amorim foi liberado no mesmo dia.

+++‘Um pedido de desculpas é o mínimo’

O sindicalista foi preso por causa de uma troca de mensagens do servidor Renato Araújo Júnior, da Secretaria de Relações do Trabalho do Ministério do Trabalho, com um interlocutor identificado no celular dele como “Amorim UGT”. Segundo o delegado, a referência seria a Ruy Amorim. Ele foi apontado como responsável por “forte intromissão” nos rumos de registros sindicais no Ministério do Trabalho visando aos interesses da União Geral dos Trabalhadores (UGT).

+++PF vê depósito da UGT como indício de propina

+++Investigação aponta disputa em secretaria

Mas, após a prisão e a negativas do sindicalista, a PF apresentou a foto de Ruy Amorim a Renato Araújo Júnior. O servidor disse não ter trocado mensagens com ele, mas sim com um outro Amorim, assessor pessoal do presidente da UGT, Ricardo Patah.

+++Roberto Jefferson (PTB) é alvo de busca na Registro Espúrio

O relatório de análise da interceptação telemática Nº 004/2017, ao tratar da conversa de Renato com “Amorim UGT”, afirmou que “constata-se que o interlocutor do investigado é, provavelmente, Ruy Queiroz de Amorim, 1.º Secretário Adjunto de Finanças da União Geral dos Trabalhadores”. A hipótese de Ruy não ser o Amorim exato não foi mencionada pelo delegado Leo Garrido na representação da Polícia Federal que baseou a Operação Registro Espúrio.

+++PTB e Solidariedade ‘tomaram de assalto’ o Ministério do Trabalho, diz PF

Após ser informado por um agente da PF que Renato não reconheceu Ruy Amorim, o delegado titular do inquérito instaurado no Supremo Tribunal Federal pediu que o ministro-relator, Edson Fachin, revogasse a prisão. “É que há fortes indícios de que houve um equívoco por parte desta equipe de investigação, haja vista que, a partir das declarações do preso e informações coletadas junto a Renato Araújo Júnior, resta patente que o ‘Amorim’ que integra o núcleo sindical da Orcrim (organização criminosa) não é Ruy Queiroz de Amorim, 1.º secretário adjunto de Finanças da UGT, mas sim José Luiz Amorim, que seria assessor direto de Ricardo Patah (presidente da UGT), mas que não ocuparia cargo na Central Sindical em questão”, disse o delegado ao STF.

+++Paulinho da Força pegou R$ 1 milhão em propina para dar ‘tutoria’ à Odebrecht

Fachin, observando a “urgência da medida pleiteada”, autorizou a revogação da prisão no mesmo dia. Ao todo, foram emitidos 23 mandados de prisão na Registro Espúrio, que buscou desmantelar um esquema formado por políticos, lobistas, dirigentes de sindicatos e funcionários públicos que atuavam na negociação para liberar registro sindical pelo ministério.

+++Ministério do Trabalho afasta servidores investigados na Registro Espúrio

Questionamentos. Procurada, a PF não se manifestou. A reportagem questionou a PF, por e-mail e por telefone, se alguma apuração adicional eliminou a dúvida admitida no próprio relatório quanto à identificação de “Amorim UGT” e se havia algum elemento à parte que pudesse justificar a prisão. Também não houve resposta se foi adotada alguma providência diante do equívoco.

+++Polícia investiga origem de repasses no Ministério do Trabalho

+++Trabalho diz que abriu sindicância

Questionado sobre o caso, o gabinete do ministro Fachin afirmou que há sigilo sobre o caso.

A reportagem não conseguiu contato com Renato Araújo. José Luiz Amorim e Ricardo Patah não atenderam as ligações. A UGT disse que contratou um advogado para analisar todo o processo e que, quando tiver acesso ao material colhido nas investigações, poderá se manifestar.