Operação mira fraudes em contratos com escolas estaduais no Rio

Operação mira fraudes em contratos com escolas estaduais no Rio

Grupo é suspeito de operar com falsos orçamentos para simular concorrência em contratações para fornecimento de materiais e alimentos a instituições de ensino do Estado

Marcio Dolzan / RIO

26 de junho de 2020 | 09h16

Foto: Reprodução / Governo do Rio

Uma operação do Ministério Público do Estado (MPRJ) e da Polícia Civil tenta cumprir 64 mandados de busca e apreensão no Rio e em municípios da Baixada Fluminense, em investigação que apura fraudes na compra de merendas e equipamentos para escolas estaduais.

Batizada de operação Prandium, a ação é resultado de cinco meses de investigações que apontam para a existência de uma organização criminosa que opera com falsos orçamentos e forja preços para simular concorrência em contratações para o fornecimento de materiais e alimentos a escolas do Estado.

Segundo o MPRJ, empresários foram monitorados ao longo das investigações aliciando e pagando propina a diretores de escolas e diretores regionais para que houvesse direcionamento na escolha e compra dos bens. De acordo com os promotores, preços eram previamente ajustados e as compras eram direcionadas a empresas pertencentes a uma mesma pessoa, mas registradas em nome de laranjas.

Ainda de acordo com os investigadores, a pandemia do novo coronavírus não impediu que o grupo mantivesse suas atividades ilícitas – dessa vez, atuando na compra e distribuição de cestas básicas a alunos, que estão com as aulas suspensas.

Tudo o que sabemos sobre:

Rio de Janeiro [estado]

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.