Operação Flintstones da PF resgata fósseis das cavernas

Operação Flintstones da PF resgata fósseis das cavernas

Ação busca espeleotemas em São Paulo, Taboão da Serra, Rio e Soledade (RS)

Redação

13 de agosto de 2015 | 15h28

Espeleotema. Foto: PF

Espeleotema. Foto: PF

Por Julia Affonso e Fausto Macedo

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira, 13, a Operação Flintstones, para recuperar fósseis e artefatos de cavernas, conhecidos por espeleotemas. Foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, Taboão da Serra (Grande São Paulo), Rio e Soledade (RS).

Nos locais que foram alvo das buscas – lojas e um centro de distribuição – a PF encontrou espeleotemas e fósseis de madeiras, que agora serão periciados para identificação de origem. Em abril de 2013, após a prisão de um comerciante de Embu das Artes (SP), iniciou-se investigação sobre a origem dos fósseis que estavam com o suspeito.

Estalactite. Foto: PF

Estalactite. Foto: PF

Após dois anos, foram identificadas empresas especializadas no comércio e exportação de pedras semipreciosas suspeitas de comercialização e exportação de fósseis brasileiros que seriam expostos para venda em sites especializados.

Segundo a PF, tanto os fósseis quanto os espeleotemas brasileiros são bens da União e não podem ser comercializados. Sua exploração somente pode ser realizada para fins científicos por universidades e instituições reconhecidas, com autorização de órgãos competentes.

Madeira Fossilizada. Foto: PF

Madeira Fossilizada. Foto: PF

Se os bens forem estrangeiros, eles devem ter sua importação declarada junto à Receita Federal, com a apresentação da documentação de origem e recolhimento dos tributos devidos.

A PF, agora, quer identificar os responsáveis pelo comércio e exportação dos fósseis que poderão ser indiciados por receptação qualificada.

Tudo o que sabemos sobre:

Operação FlintstonesPolícia Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.