Operação Domiciano combate corrupção de policiais em rodovias

Operação Domiciano combate corrupção de policiais em rodovias

Investigação aponta que suspeitos pediam propina de motoristas que transitavam de forma irregular, deixando de lavrar autos de infração e sanções administrativas

Fausto Macedo e Julia Affonso

22 de junho de 2017 | 10h05

Foto: Tiago Queiroz/Estadão

O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União, a Polícia Rodoviária Federal e a Polícia Federal deflagraram, nesta quinta-feira, 22, a Operação Domiciano. A ação cumpre 19 mandados de prisão preventiva e 33 mandados de busca e apreensão, contra 15 policiais rodoviários federais de Unidades Operacionais de Uberlândia, Araguari e Monte Alegre, em Minas Gerais. A ação também envolve prisão de quatro empresários e comerciantes da região.

Em nota, a CGU informou que os policiais são suspeitos de praticar atos de corrupção contra usuários da rodovia, com auxílio de comerciantes e empresários. Os acusados solicitavam propina de cidadãos que transitavam de forma irregular, deixando de lavrar autos de infração e demais sanções administrativas cabíveis.

Os empresários e comerciantes obtinham vantagens na relação com os acusados, sendo priorizados para atendimento de acidentes e ocorrências, gerando lucro.

Levantamentos iniciados pela Corregedoria da Polícia Rodoviária Federal em 2016 levaram à instauração de inquérito na Polícia Federal que culminou na expedição dos mandados. A CGU participou de análise da movimentação financeira e evolução patrimonial dos acusados, relação destes com outras pessoas físicas e jurídicas, além de fornecer levantamento de indícios de ilícitos administrativos.

A força-tarefa é composta por aproximadamente 200 policiais (140 Policiais Rodoviários Federais e 60 Policiais Federais) e sete auditores da CGU, e cumpre mandados nas cidades mineiras de Uberlândia, Canápolis, Monte Alegre, Itumbiara, Araguari, Centralina e Delfinópolis. Os presos serão encaminhados à Polícia Federal em Uberlândia e indiciados pelos crimes de corrupção passiva e associação criminosa.