Operação da PF identifica compra fraudulenta de passagem aérea em Guarulhos

Operação da PF identifica compra fraudulenta de passagem aérea em Guarulhos

Global Joint Action Day foi deflagrada em parceria com a Europol entre 5 e 9 de junho

Julia Affonso e Fausto Macedo

12 de junho de 2017 | 10h55

FOTO EVELSON DE FREITAS/ESTADÂO

A Polícia Federal no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, identificou três casos de compra fraudulenta de passagem aérea no Terminal. A investigação, em colaboração com a Europol (Serviço de Polícia Europol), fez parte da Operação Global Joint Action Day, que terminou na sexta-feira, 9, e cujo objetivo era reprimir fraudes na aquisição de bilhetes aéreos com cartões de crédito clonados.

Em nota, a Federal informou que dos três casos, em Guarulhos, dois são referentes a voos internacionais. Durante a ação, policiais federais e civis, da Deatur (Delegacia de Polícia de Atendimento ao Turista), identificaram um suspeito de vender os bilhetes aéreos e descobriram que havia, contra ele, indiciamento por estelionato.

A Global Joint Action Day foi deflagrada mundialmente entre os 5 e 9 de junho. A Polícia Federal, por meio do acordo de cooperação estratégica, assinado em Haya, em conjunto a Europol, participou em 10 aeroportos no Brasil.

A Federal afirma que o Brasil é o 4º colocado no ranking mundial na compra fraudulenta de passagens aéreas com cartões de crédito.

“Criminosos, radicados em diversos países, tem causado grandes prejuízos e transtornos às pessoas e empresas de cartões de crédito, clonando e capturando senhas de possuidores desses cartões para, entre outras coisas, adquirir passagens aéreas nacionais e internacionais. Trata-se de um crime que, além da transnacionalidade, ainda possui a característica peculiar que faz com que a polícia possa um tempo exíguo para agir, localizar e prender os criminosos”, afirmou a PF.

Tido como prioritários pela Europol, os crimes cibernéticos, especialmente os realizados no âmbito do e-commerce movimentaram em 2014 a soma de US$ 16 bilhões e em 2016 esse montante passou a mais de 20 bilhões, segundo o MRC (www.merchantriskcouncil.org/about-mrc). Na França, em junho de 2016 durante o Retail Week Action houve 53 prisões e 140 mandados de busca nos países membros. Lá, somente em dois aeroportos, no período de 2014 a 2016 foram mais de 93 prisões.

Além da Europol, participaram da operação a Interpol, Ameripol, Aircop, órgãos de segurança interna de diversos países, no Brasil a Polícia Civil, empresas aéreas e empresas de cartões de crédito.

Mais conteúdo sobre:

Polícia Federalcartão de crédito