Olhai os ipês-amarelos

Olhai os ipês-amarelos

Janice Linhares*

24 de dezembro de 2020 | 08h00

Janice Linhares. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

E se Ele tivesse escolhido o Pantanal?

A Estrela-guia seria alguma do cruzeiro…

Anunciariam o nascimento não os anjos,

Mas a mais bela sinfonia de araras, tuiuiús e colhereiros.

Receberiam-No alegremente os ribeirinhos,

Presenteando-O com charque, erva-mate

E um belo pintado recém içado do rio…

Não cresceria pastor, e sim boiadeiro;

Não seria batizado no Jordão,

Mas suavemente acolhido pelas águas do caudaloso Paraguai…

E, em quentes e calmas tardes,

Correria alegremente sob suas águas,

Brincando de tocar o sol-poente –

Sim, Ele conseguiria, sob os atentos olhos de Maria,

Pois o Pantanal e seus perigos não são coisas para menino…

E, um dia, Ele subiria no alto do íngreme Maciço do Urucum

E, maravilhado com a vista,

Declamaria a mais bela poesia já ouvida,

Num sopro de divina inspiração:

Olhai os ipês-amarelos…

*Janice Vargas de Carvalho Linhares, advogada

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.