Oficina em BH é condenada por bater e desvalorizar carro de cliente

Veículo havia sido deixado para manutenção; indenização é de R$ 14,5 mil

Redação

14 de outubro de 2014 | 11h23

Por Julia Affonso

Uma oficina mecânica em Belo Horizonte foi condenada pela Justiça de Minas Gerais, a indenizar uma cliente, depois que um funcionário bateu o carro que havia sido deixado para manutenção. A Rodasa Roda Serviços Automóveis terá de pagar R$ 14,5 mil. A decisão foi publicada na sexta-feira, 10.

Segundo o Tribunal de Justiça, houve desvalorização do carro. Nas provas, a cliente demonstrou que antes do acidente o veículo valia R$ 32 mil. Uma testemunha afirmou ter desistido de comprar o automóvel por esse preço após tomar conhecimento da batida.

Outra testemunha afirmou que comprou o automóvel por um preço “bem baixo”. Ela declarou que ficou com o carro por quatro meses e, mesmo tendo feito reparos para melhorar a venda, o veículo continuou com problemas de alinhamento de portas, para-lamas e para-choque, o que o levou a vendê-lo por uma quantia inferior ao valor de compra.

O juiz considerou o documento que comprovou a venda do veículo por R$ 17,5 mil para reconhecer o prejuízo da cliente em relação ao valor real do veículo antes do acidente. A decisão da Justiça é de 1ª instância. Cabe recurso.
No processo, a cliente conta que deixou o veículo na oficina em 19 de abril de 2009 e no dia 23 do mesmo mês foi informada que um funcionário da oficina havia batido o carro. Ela disse que, embora a oficina tenha se comprometido a reparar o veículo, o conserto deixou vícios e problemas mecânicos que causaram uma desvalorização de R$ 14,5 mil e, por essa razão, ela sofreu danos morais.

A Rodasa Roda reconheceu, na ação, que houve o acidente e admitiu que assumiu o compromisso de reparar o automóvel. Afirmou, no entanto, que devolveu o veículo em perfeitas condições após o conserto e, portanto, não tinha responsabilidade e nem deveria pagar pela desvalorização. Alegou também que alugou outro veículo para a cliente durante o período de conserto, e negou que a cliente tenha sofrido danos morais.

COM A PALAVRA, A RODASA RODA SERVIÇOS AUTOMÓVEIS.

A oficina não respondeu às perguntas enviadas pela reportagem.

Tudo o que sabemos sobre:

Minas GeraisTJ-MG