Odebrecht diz que seu presidente preso vai falar à PF ‘apenas’ sobre bilhete

Maior empreiteira do País afirma que Marcelo Odebrecht, alvo da Lava Jato e com depoimento marcado para esta quinta,16, ainda não foi ouvido 'sobre os motivos que levaram à decretação de sua prisão'

Redação

15 de julho de 2015 | 21h40

Marcelo Odebrecht, quando foi preso pela Polícia Federal. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Marcelo Odebrecht, quando foi preso pela Polícia Federal. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Por Julia Affonso, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

A defesa de Marcelo Bahia Odebrecht informou que o depoimento do presidente da maior empreiteira do País, marcado para esta quinta, 16,será relativo ‘apenas’ ao bilhete escrito por ele para seus advogados.

O manuscrito foi copiado por agentes da Polícia Federal na manhã de 22 de junho na Custódia da Superintendência Regional da corporação em Curitiba – nele, estava escrito ‘destruir e-mail sondas’.

Segundo nota divulgada pela defesa, via assessoria de imprensa, nesta quarta-feira, 15, “preso há 27 dias, Odebrecht ainda não foi ouvido sobre os motivos que levaram à decretação de sua prisão, nem há previsão para isso até o momento’

O empreiteiro foi capturado em 19 de junho, por suspeita de envolvimento com o cartel de empreiteiras que assumiu o controle de contratos bilionários na Petrobrás.

“Foi iniciativa da defesa de Marcelo comunicar ao juiz Sergio Moro o episódio ocorrido no dia 23 de junho na carceragem da Policia Federal de Curitiba”, diz o texto divulgado pela assessoria do empreiteiro.

“Na ocasião, Marcelo Odebrecht entregou de boa-fé um bilhete a um agente da Polícia Federal para comunicação com seus advogados, que passa por triagem interna como medida de segurança, o que de fato aconteceu. Não procede, portanto, a informação de que o bilhete teria sido interceptado pelas autoridades.”

Ainda segundo a nota divulgada nesta quarta, no dia 25 de junho “os advogados entregaram o bilhete original, cujo conteúdo apresentava os pontos a serem esclarecidos para impetração do habeas corpus do executivo, à seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Paraná, uma vez que houve violação do sigilo funcional entre cliente e advogado e pediu providências à entidade”
A OAB-PR já informou ao juiz e à PF que o bilhete está custodiado na entidade.

“A Ordem dos Advogados do Brasil, por meio de parecer do seu procurador nacional adjunto de Defesa das Prerrogativas, também considerou que a transcrição e divulgação do conteúdo do bilhete caracteriza desrespeito ao sigilo profissional dos advogados da empresa.”

LEIA A INTEGRA DA NOTA DA ODEBRECHT SOBRE DEPOIMENTO DE SEU PRESIDENTE PRESO

“A defesa de Marcelo Odebrecht esclarece que o depoimento marcado para esta quinta-feira, 16 de julho, é apenas sobre o bilhete escrito por ele aos seus advogados. Preso há 27 dias, Marcelo ainda não foi ouvido sobre os motivos que levaram à decretação de sua prisão, nem há previsão para isso até o momento.

Foi iniciativa da defesa de Marcelo comunicar ao juiz Sergio Moro o episódio ocorrido no dia 23 de junho na carceragem da Policia Federal de Curitiba. Na ocasião, Marcelo Odebrecht entregou de boa-fé um bilhete a um agente da Polícia Federal para comunicação com seus advogados, que passa por triagem interna como medida de segurança, o que de fato aconteceu. Não procede, portanto, a informação de que o bilhete teria sido interceptado pelas autoridades.

No dia 25 de junho, os advogados entregaram o bilhete original, cujo conteúdo apresentava os pontos a serem esclarecidos para impetração do habeas corpus do executivo, à seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Paraná, uma vez que houve violação do sigilo funcional entre cliente e advogado e pediu providências à entidade. A OAB-PR já informou ao juiz e à PF que o bilhete está custodiado na entidade.

A Ordem dos Advogados do Brasil, por meio de parecer do seu procurador nacional adjunto de Defesa das Prerrogativas, também considerou que a transcrição e divulgação do conteúdo do bilhete caracteriza desrespeito ao sigilo profissional dos advogados da empresa.”

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.