Odebrecht diz que delegado da PF deu ‘ares de escândalo’ a bilhete de seu presidente

Em nota à imprensa, divulgada na noite desta quarta-feira, 24, maior empreiteira do País, cujo presidente caiu na malha da Lava Jato e está preso desde sexta, 19, argumenta 'boa fé' de Marcelo Odebrecht

Redação

24 de junho de 2015 | 20h59

Por Julia Affonso, Fausto Macedo e Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

A Odebrecht manifestou nesta quarta-feira, 24, sua ‘indignação’ sobre o que chama de “incidente processual que se tentou criar em torno de um bilhete do seu diretor-presidente, Marcelo Odebrecht”. Em nota à imprensa, a maior empreiteira do País afirma que o bilhete contém “orientação (de Marcelo Odebrecht) aos advogados” com argumentos para serem usados no habeas corpus em favor do empresário.

O manuscrito de Odebrecht foi encontrado por agentes da Custódia da Polícia Federal na manhã de segunda-feira, 22. Nele, o empreiteiro pede ‘destruir e-mail sondas’ – para a Polícia Federal, indicativo de ‘supressão de provas’, no caso uma correspondência eletrônica de 2011 em que é abordado sobrepreço em contrato de afretamento e operação de sondas.

Marcelo Odebrecht. Foto: Enrique Castro/Reuters

Marcelo Odebrecht. Foto: Enrique Castro/Reuters

Para a Odebrecht, o delegado da Polícia Federal (Eduardo Mauat, que integra a força-tarefa da Operação Lava Jato), ‘infelizmente optou por dar publicidade e ares de escândalo em um bilhete com simples orientações do cliente para seus advogados’. A empreiteira diz que o delegado feriu ‘a proteção da relação que a Lei garante a todos os cidadãos brasileiros’.

O documento foi anexado aos autos da Lava Jato nesta quarta-feira, em inquérito da Operação Erga Omnes, que é público desde o dia 19, quando foi deflagrada a fase ostensiva das apurações envolvendo a Odebrecht e a construtora Andrade Gutierrez.

“A simples leitura do bilhete mostra que não há motivos para este questionamento”, contesta a Odebrecht. ” O bilhete foi redigido pelo executivo a partir do despacho judicial que expediu mandado de prisão para diretores da Odebrecht. Trata-se de orientação aos advogados para os diversos tópicos para os esclarecimentos que serão prestados no habeas corpus a ser impetrado. Tanto que o título do bilhete é “Pontos para o HC (de habeas corpus)”.

Segundo a nota da empreiteira, “ao tratar do tópico sobre a troca de e-mails entre executivos da Odebrecht, razão alegada para a prisão dos executivos da empresa – medida manifestamente ilegal – o diretor-presidente utiliza a expressão ‘destruir e-mail sondas RR’, referindo-se a Roberto Ramos, autor de uma das mensagens, então na Braskem e que trabalhava na constituição da Odebrecht Óleo e Gás”. A empresa destaca que “uma seta manuscrita liga a expressão ‘destruir e-mails sondas RR’ aos argumentos que o diretor-presidente sugere para explicar as discussões contidas na sequência de mensagens”.

A Odebrecht é categórica. “Não há nenhuma sugestão, no bilhete de Marcelo Odebrecht, que sugira que se cometa qualquer ilegalidade. Além de não corresponder à conduta do executivo, nem faria sentido uma sugestão de se ‘destruir’ (não no conteúdo, como era a intenção, mas literalmente, como interpretou a autoridade policial) e-mails que foram apreendidos em operação realizada em novembro de 2014, que foram amplamente periciados e tornados públicos. Destruir algo que já está em poder da PF e do juiz Sergio Moro não faz o menor sentido. Ou seja, a palavra destruir só pode ter outro significado.”

No texto divulgado no início da noite desta quarta-feira, 24, a empreiteira diz que “lamenta que se tenha criado um incidente processual sobre uma expressão tirada obviamente do contexto”.

“Os advogados da empresa tentaram, por meio de petição e contatos pessoais, fazer ver a autoridade policial a falta de sentido em se criar suspeitas sobre o tema, mas infelizmente esta optou por dar publicidade e ares de escândalo em um bilhete com simples orientações do cliente para seus advogados – ferindo assim a proteção desta relação que a Lei garante a todos os cidadãos brasileiros.”
LEIA A ÍNTEGRA DA NOTA DA ODEBRECHT

“A Odebrecht manifesta sua indignação sobre o incidente processual que se tentou criar em torno de um bilhete do seu diretor-presidente, Marcelo Odebrecht, endereçado a seus advogados. Sobre o tema, esclarece:

” O bilhete foi entregue pelo executivo a um agente policial, para que fosse encaminhado a seus advogados, o que mostra a boa fé do ato. A autoridade policial assim o fez, entregando a mensagem aos advogados, mas julgou por bem copiá-la e representar ao juiz responsável pelo caso, com questionamentos acerca da expressão “destruir e-mails sondas RR”.

” A simples leitura do bilhete mostra que não há motivos para este questionamento. O bilhete foi redigido pelo executivo a partir do despacho judicial que expediu mandado de prisão para diretores da Odebrecht. Trata-se de orientação aos advogados para os diversos tópicos para os esclarecimentos que serão prestados no habeas corpus a ser impetrado. Tanto que o título do bilhete é “Pontos para o HC (de habeas corpus)”.

” Ao tratar do tópico sobre a troca de e-mails entre executivos da Odebrecht, razão alegada para a prisão dos executivos da empresa – medida manifestamente ilegal – o diretor-presidente utiliza a expressão “destruir e-mail sondas RR”, referindo-se a Roberto Ramos, autor de uma das mensagens, então na Braskem e que trabalhava na constituição da Odebrecht Óleo e Gás. Uma seta manuscrita liga a expressão “destruir e-mails sondas RR” aos argumentos que o diretor-presidente sugere para explicar as discussões contidas na sequência de mensagens.

” O diretor-presidente elenca fatos que esclarecerão que tratava-se de uma discussão sobre um negócio a ser firmado entre empresas privadas (entre elas a Sete Brasil), em torno da construção e operação de sondas de perfuração de petróleo. Nesta discussão, diferentemente do que o juiz encarregado do caso interpretou, o termo “sobre-preço” utilizado por Roberto Ramos, nada tem a ver com “superfaturamento” ou qualquer irregularidade. “Sobre-preço” representa apenas a remuneração contratual que a Odebrecht Óleo e Gás, como operadora de sondas, propôs à Sete Brasil, e que compreende o reembolso do custo de operação e manutenção (“cost”) das sondas, acrescido de uma remuneração fixa sobre o referido custo. Ou seja, representa a tradução do termo, usual no mercado, “cost plus fee”.

” Portanto, não há nenhuma sugestão, no bilhete de Marcelo Odebrecht, que sugira que se cometa qualquer ilegalidade. Além de não corresponder à conduta do executivo, nem faria sentido uma sugestão de se “destruir” (não no conteúdo, como era a intenção, mas literalmente, como interpretou a autoridade policial) e-mails que foram apreendidos em operação realizada em novembro de 2014, que foram amplamente periciados e tornados públicos. Destruir algo que já está em poder da PF e do juiz Sergio Moro não faz o menor sentido. Ou seja, a palavra destruir só pode ter outro significado.

A Odebrecht, finalmente, lamenta que se tenha criar um incidente processual sobre uma expressão tirada obviamente do contexto. Os advogados da empresa tentaram, por meio de petição e contatos pessoais, fazer ver a autoridade policial a falta de sentido em se criar suspeitas sobre o tema, mas infelizmente esta optou por dar publicidade e ares de escândalo em um bilhete com simples orientações do cliente para seus advogados – ferindo assim a proteção desta relação que a Lei garante a todos os cidadãos brasileiros.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: