Ode aos invisíveis das esquinas

Ode aos invisíveis das esquinas

Janice Linhares*

22 de outubro de 2020 | 14h40

Janice Linhares. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

O que dá graça à vida,

Senão o fogo nos semáforos,

Os malabares dos andarilhos,

As esferas dos equilibristas?

 

Se não são eles a nos salvar

dos enferrujados trilhos;

Se não são eles a fazer

a curva em nossos olhos,

o que seria de nós, tristes mortais,

de caminho reto?

 

Andando sempre com rumo certo,

da casa ao trampo,

do mercado ao banco,

almoçando dias,

jantando noites,

deglutindo notícias,

enviando falsos sorrisos a amigos

tão desconhecidos quanto o vizinho ao lado,

que está ali só há 20 anos.

 

Batamos palmas,

fechados em nossos veículos,

a quem sem querer nos salva,

a quem ateia fogo em nossa alma,

a quem equilibra nosso espírito!

 

Batamos palmas,

a quem nos resgata de nossos humanos delírios,

singelamente lançando uma bola

no vazio do infinito!

*Janice Vargas de Carvalho Linhares, servidora pública federal e advogada inscrita na OAB-MS nº 7711

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.