‘Oceano’, ‘Rio’ e ‘Lagoa’, as senhas da propina de Bendine

‘Oceano’, ‘Rio’ e ‘Lagoa’, as senhas da propina de Bendine

Denúncia contra ex-presidente da Petrobrás, o 'Cobra', reúne provas de pagamentos de propina de R$ 3 milhões

Ricardo Brandt, Julia Affonso, Luiz Vassallo e Fausto Macedo

22 Agosto 2017 | 12h35

Na denúncia criminal contra o ex-presidente da Petrobrás e do Banco do Brasil Aldemir Bendine, nesta terça-feira, 22, a força-tarefa da Operação Lava Jato anexou as mensagens com ordens de pagamentos do setor de propinas da Odebrecht. Foram R$ 3 milhões pagos a “Cobra”, condinome do ex-presidente, que foram recebidos em São Paulo mediante a apresentação de três senhas: “Oceano”, “Rio” e “Lagoa”.

Documento

Bendine está preso desde julho, alvo da 42ª fase da Lava Jato – Operação Cobra – e foi denunciado nesta terça por crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e embaraço às investigações.

O ex-presidente da Petrobrás teria solicitado R$ 17 milhões em propinas para Marcelo Odebrecht e e para o executivo do grupo Fernando Reis. Para receber o dinheiro, usou os publicitários André Gustavo e Antonio Carlos, donos da Arcos Propaganda, como operadores.

Documento

“Fernando Reis orientou o operador financeiro André Gustavo a comparecer na sede da Odebrecht para ajustar a operacionalização do repasse dos valores ilícitos. André Gustavo compareceu na Odebrecht, em data incerta, possivelmente no dia 15 ou 16 de junho de 2015, e obteve de Eduardo Barbosa, subordinado de Fernando Reis, as senhas “Oceano”, “Rio” e “Lagoa”, que deveriam ser pronunciadas pelo recebedor dos valores no ato das entregas sub-reptícias dos valores, para confirmação de sua autenticidade”, sustenta a denúncia.

+ Na varanda fechada do Lago Sul, Bendine e Odebrecht acertaram a propina

+ Propina de R$ 3 milhões de Bendine estava em ‘sacos plásticos’

Os dois combinaram que a entrega deveria ser feita no endereço Rua Sampaio Viana, 180, Edifício Option Paraíso, Apartamento 43, Paraíso, São Paulo – SP. O imóvel indicado era alugado por Antônio Carlos, operador de Bendine. Para receber os valores, o operador escalou o taxista Marcelo Casimiro.

 

“Marcelo Casimiro é um taxista em São Paulo, com fortes ligações e relacionamento estreito com Antônio Carlos e André Gustavo, para os quais prestava serviços diversos, a exemplo de transporte de encomendas”, afirma a denúncia.

“Nesse contexto, a mando de Marcelo Odebrecht e Fernando Reis foi provisionada a entrega dos valores, com ocultação e dissimulação da natureza, origem, localização, movimentação e propriedade para Aldemir Bendine, apelidado de Cobra, por intermédio de Álvaro Novis, titular da denominada conta Paulistinha, junto ao Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht.”

Segundo narra a acusação, Antonio Carlos repassou as senhas fornecidas pela Odebrecht e datas com provisão dos pagamentos para o taxista Marcelo Casimiro. “O qual compareceu no apartamento 43 da Rua Sampaio Viana, 180, nos dias 17 de junho de 2015, 24 de junho de 2015 e 01 de julho de 2015, para receber os valores, com ocultação de origem e natureza criminosa, disponibilizados pelo doleiro Álvaro Novis.”

 

Mais conteúdo sobre:

operação Lava Jato