OAB vê Dirceu ‘inidôneo’ e o exclui de seus quadros

Por 76 votos, contra 2 e duas abstenções, Conselho de Ética da entidade em São Paulo cassa inscrição do advogado José Dirceu

Redação

24 de agosto de 2015 | 20h00

José Dirceu. Foto: André Dusek/Estadão

José Dirceu. Foto: André Dusek/Estadão

Por Ricardo Galhardo, Valmar Hupsel Filho e Ricardo Chapola

O Conselho de Ética da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional de São Paulo, considerou inidôneo o ex-ministro José Dirceu (Casa Civil/Governo Lula), e cassou sua inscrição de advogado. Foram 76 votos pelo cancelamento, dois contra e duas abstenções.

Os advogados consideraram que a condenação de Dirceu por corrupção – 7 anos e onze meses de prisão – nos autos da Ação Penal 470 (Mensalão) no Supremo Tribunal Federal (STF) se equipara a crime infamante, por isso consideram que ele perdeu a idoneidade para manter sua inscrição nos quadros da Ordem.

Dirceu formou-se em Direito pela Pontífica Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) em 1983, poucos anos depois de retornar do exílio e ser beneficiado pela Lei da Anistia.

Ele foi condenado no Mensalão em 2012 e foi para a Penitenciária da Papuda em novembro de 2013. Atualmente, o ex-ministro está preso em Curitiba, sob investigação da Operação Lava Jato.

A reportagem apurou que a defesa de Dirceu alegou que a conduta julgada na Ação Penal 470 se resumiu à sua atuação política enquanto ministro-chefe da Casa Civil e não enquanto advogado ou membro inscrito na OAB.

Neste caso, o conceito de crime infamante que vem sendo aplicado pela Ordem em outras demandas não se aplicaria ao caso de Dirceu, pois em sua conduta não houve nenhum tipo de prejuízo à imagem da advocacia perante a sociedade.

O advogado Daniel Kignel, sócio do escritório Oliveira Lima, de José Luís de Oliveira Lima, não se manifestou sobre o julgamento, que correu sob sigilo. Kignel observou, no entanto, que a defesa respeita a decisão do Conselho da Seccional da OAB e que vai recorrer ao Conselho Federal da entidade.

Tudo o que sabemos sobre:

José DirceuOAB

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.