OAB deixa prédio histórico na Sé e muda para novo endereço

Desde 1955 no coração da capital paulista, Ordem dos Advogados passa para nova sede nesta segunda-feira, 25

Fausto Macedo

24 de agosto de 2014 | 07h00

Fausto Macedo

Depois de quase 60 anos, a Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo deixa seu endereço histórico, no coração da cidade, à Praça da Sé, 385, para ocupar um novo prédio, localizado à Rua Maria Paula, 35, esquina com a Avenida Brigadeiro Luis Antônio.

A nova sede da advocacia de São Paulo será inaugurada nesta segunda-feira, 25, às 11 horas, com as presenças confirmadas do vice-presidente da República, Michel Temer, do prefeito Fernando Haddad, e da ministra da Cultura, Marta Suplicy.

Em 1955, data de inauguração do prédio da Praça da Sé, a Ordem somava cerca de 3 mil advogados e 21 conselheiros. Hoje são 350 mil advogados inscritos e um Conselho Secional composto por 180 membros.

O novo endereço é uma edificação de 3.300 metros quadrados de área construída, em uma torre de 11 andares e um terraço no 12.º andar, onde era originalmente a sala de máquinas e zeladoria.

Concentrará as atividades institucionais da OAB-SP, atualmente locadas na Praça da Sé, que terá uma ocupação mais voltada à educação jurídica.

“Trata-se de mais uma conquista para advocacia paulista, que terá uma sede digna e condizente com sua grandeza e que foi inteiramente financiada com recursos do Conselho Federal da OAB, para aquisição, reforma e mobiliário”, declara Marcos da Costa, presidente da OAB-SP.

A cerimônia começará com a entronização da foto do Conselheiro Nato, Luiz Flávio Borges D’Urso na galeria de ex-presidentes da OAB-SP.

O projeto começou a tomar forma no início de 2012, quando a OAB-SP acertou a compra do edifício da Maria Paula com a Brigadeiro, na gestão do então presidente Luiz Flávio D’Urso.

Naquele mesmo ano, em dezembro, foi concluída a primeira fase, em que se deu o desenvolvimento de projetos (estrutural e arquitetônico) e a regularização da obra junto aos órgãos públicos.

Para a conselheira Clemencia Wolthers, representante da diretoria na administração da obra, a fase de aprovação do projeto junto aos órgãos públicos foi a mais trabalhosa e levou quase um ano, mas todas as exigências foram cumpridas.