OAB chama Tribunal de Ética para advogada que sugeriu nas redes estupro das filhas de ministros do STF

OAB chama Tribunal de Ética para advogada que sugeriu nas redes estupro das filhas de ministros do STF

Cláudia Teixeira Gomes fez o comentário no Facebook; presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Sul pediu ‘urgência’ ao Tribunal de Ética e Disciplina para conduzir o caso

Pedro Prata

11 de novembro de 2019 | 17h46

A advogada Cláudia Teixeira Gomes usou as redes sociais para sugerir o estupro e a morte das filhas dos ministros do Supremo Tribunal Federal. Ela escreveu: ‘Que estuprem e matem as filhas dos Ordinários ministros do STF’.

O comentário da advogada incita a violência, disse Ricardo Breier, presidente da Ordem no RS. Foto: OAB-RS/Divulgação

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Sul, Ricardo Breier, encaminhou um ofício ao Tribunal de Ética e Disciplina da Ordem nesta segunda, 11, para cobrar ‘providências imediatas’.

Cláudia postou seu comentário depois que o Supremo enterrou a prisão na segunda instância. Por seis votos a cinco, os ministros da Corte máxima decidiram que condenado só pode ir preso após esgotados todos os recursos.

A decisão do STF abre caminho da liberdade para cerca de 5 mil presos em todo o País. Alguns alvos da Operação Lava Jato já estão na rua, como o ex-presidente Lula e o ex-ministro José Dirceu.

Cláudia postou seu comentário depois que o Supremo enterrou a prisão na segunda instância. Foto: Dorivan Marinho/SCO/STF/Divulgação

O comentário da advogada incita a violência, disse Ricardo Breier. “Vai na contramão da postura exigida a um profissional representante da cidadania.”

O presidente da Ordem continua. “Incitar, publicamente, a violência é atentar contra as boas práticas de conduta que regem o Estado Democrático de Direito, ainda mais vindo de uma advogada que presta juramento no qual está decretado o seu papel em defesa da constituição.”

Breier pediu urgência na condução do caso e encaminhou ofício a Dias Toffoli, presidente do Supremo, para informá-lo da ação.

COM A PALAVRA, A ADVOGADA

A reportagem busca contato com a advogada. O espaço está aberto para manifestações (pepita.ortega@estadao.com).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.