O voto de Gebran que pediu 41 anos para Zé Dirceu

O voto de Gebran que pediu 41 anos para Zé Dirceu

Tribunal Regional Federal da 4ª Região disponibilizou manifestação do relator da Lava Jato na Corte, que defendia o aumento, em quatro vezes, da pena do ex-ministro; Decisão final foi de elevar de 20 para 30 anos a sentença do petista

Luiz Vassallo

03 de outubro de 2017 | 16h28

Gebran Neto, da 8ª Turma do TRF4. Foto: Sylvio Sirangelo/TRF4

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) aumentou em 10 anos – atingindo um total de 30 anos e nove meses de prisão – a pena imposta ao ex-ministro José Dirceu (Casa Civil/Governo Lula), réu na apelação criminal do núcleo Engevix. O voto do relator da Lava Jato na Corte, João Paulo Gebran Neto, pediu 41 anos para de pena para o petista.

Documento

Ele também se manifestou pelo aumento da pena do ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto de 9 para 40 anos. No entanto, foi voto vencido, já que, por dois a um, a 8ª Turma decidiu absolver o petista.

“As provas carreadas aos autos não deixam a menor dúvida de que dirigentes da empresa ENGEVIX ofereceram vantagens indevidas a Renato Duque e Pedro Barusco, funcionários da Petrobras, contando para tanto com a participação de Milton Pascowitch e José Adolfo Pascowitch, a fim de que referidos funcionários da Petrobrás, respectivamente Diretor de Serviços e Gerente Executivo de Engenharia, praticassem, omitissem ou retardassem atos de ofício, sendo posteriormente as vantagens indevidas repassadas aos réus José Dirceu, João Vacarri Neto e Fernando Moura”, afirmou Gebran, em seu voto.

Tudo o que sabemos sobre:

José Dirceuoperação Lava Jato

Tendências: