O varejo está em guerra… Discriminadamente atacam o varejo…

O varejo está em guerra… Discriminadamente atacam o varejo…

Flávio Oliveira*

29 de outubro de 2021 | 04h30

Flávio Oliveira. FOTO: DIVULGAÇÃO

O que o caso do Digital Lock ( que deve ser traduzido como TD – Travamento Digital)  acontecido no Sul do Brasil pode nos ensinar e vem a comprovar? Que obviamente “ Existe uma guerra lá fora… E esta guerra é por controle”  esta foi uma das frases históricas do emblemático filme “ Quebra de Sigilo” de 1992 estrelado por  Robert Redford e mais um conjunto de geniais atores.  O Filme abriria a discussão trinta anos antes da institucionalização da guerra por “Acesso Sistêmico” e “Travamento Funcional” e não mais apenas por dados brutos e/ou informações privilegiadas.

Suscitando pela primeira a emblemática pergunta:

– De quem será  caixa preta que vai abrir todos os sistemas?

Podemos afirmar com divina certeza que! Quem chegar primeiro na computação quântica efetivamente funcional será o dono desta caixa e de todos os segredos que se encontram protegidos pela atual tecnologia binária.

A Criptografia hoje existente simplesmente serve para oferecer proteção baseando-se no aumento de complexidade do embaralhamento dos dados originais e das chaves de acesso sistêmicas através do uso de  equações, algoritmos, modelos matemáticos  e outras metáforas binárias relegadas ao universo do processamento linear e bidimensional.

Um Cripto Sistêmico transforma uma chave sistêmica em um conjunto de cifras que os computadores hoje existentes demorariam mais de mil anos para decifrarem estes códigos, usando-se procedimentos de força bruto e/ou tentativa e erro.

Um computador quântico oferece a capacidade de processamento um milhão de vezes maior que os supercomputadores atuais, logo um sistema quântico demoraria segundos para quebrar esta cifra. Nos momentos iniciais da Computação Quântica Funcional um seleto grupo de pessoas poderão ser considerados  Deuses da informação.

Edward Joseph Snowden contratado da CIA e NSA  tornou público detalhes do sistema de vigilância global,  mostrando que a informação segura é a que não está ligada na rede mundial de computadores. Se qualquer informação for diagnosticada como relevante torna-se imediatamente alvo da Vigilância Global executada através de modelos de gestão e/ou coleta de informações de entidades governamentais e/ou privadas.

– E que o Varejo tem a ver com isso?

Todo sistema financeiro mundial tem no varejo uma das pernas de sua sustentabilidade. Muitos críticos analisam que o VAREJO é a base funcional e estrutural de todo o sistema financeiro mundial.  Logo nos últimos tempos ficou claro que entidades Macro Bancárias, Organizações Globais, Macro Companhias  e outra infinidade de atores  do mercado de elite possuem sistemas digitais de proteção altamente especializados e  sistema físicos de coibição funcional extremamente eficazes.  Logo o risco de retaliação efetiva é muito grande para prêmios que cada dia tem sido menores e o tempo de reação do agredido cada vez menor.

Todavia a mão que alimenta este mercado o VAREJO e que gera bilhões em operações financeiras diariamente, em geral, ou na grande parte das entidades está defasada em matéria de proteção efetiva de seus ativos digitais. E num mercado gerador de fortunas por segundo, um segundo de defasagem pode fazer esta fortuna trocar de mãos, ser ameaçada, destruída ou comprometida numa facilidade tão grande como apertar a tecla de ENTER remotamente.

O caso de Digital Lock é uma demonstração clara de uma empresa que fez tudo certo ao seu alcance e mesmo assim foi deliberadamente atacada, mas com transparência reagiu ao ataque e tem tomado todas as atitudes para minimizar os danos e voltar as suas atividades extremamente importantes ao Varejo  Nacional. Atitudes extremamente louváveis, mas que não eliminam o trauma e as disfuncionalidades na corporação como um todo.

As informações sobre o pagamento, a compra, o produto comprado, os meios de pagamento, bem como os dados operacionais sobre os milhões de transações efetivadas por segundo no Brasil representam em um dia tradicional de operação nos principais varejistas o PIB de muitas nações do mundo.

O valor destas informações é muito maior que o valor financeiro de cada transação realizada num determinado intervalo de tempo, pois estas transações são recorrentes e com o controle destas operações o dano estratégico é muito maior que o roubo capital em si. Logo travar uma empresa evitando seu funcionamento é um prejuízo muitas vezes maior que o roubo de um determinado valor pecuniário.

O evento Digital Lock é um marco importante a todos varejistas no Brasil independente de seu tamanho e capilaridade, pois a funcionalidade de uma empresa é o reflexo direto do comportamento geral do segmento funcional que esta empresa atua. E o VAREJO não pode mais ser analisado individualmente, atitudes de proteção devem ser compartilhadas e associativamente comungadas pois a segurança da corrente VAREJISTA  é sempre a força de seu elo mais fraco.

*Flávio Oliveira, diretor de Desenvolvimento e Tecnologia da 4Mooney Tecnologia e Inovação para o Mercado Financeiro

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.