‘O sistema Judiciário não se sobrepõe ao sistema político’, diz Deltan

‘O sistema Judiciário não se sobrepõe ao sistema político’, diz Deltan

Coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato defendeu reformas na legislação pelo 'combate à corrupção' durante evento no 'Estado', nesta segunda, 1

Redação

01 de abril de 2019 | 10h15

O procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato no Ministério Público Federal. Foto: Felipe Rau/Estadão

O coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, afirmou, nesta segunda-feira, 1, que ‘o sistema Judiciário não se sobrepõe ao sistema político’. Deltan Dallagnol faz comparações sobre a Mãos Limpas e a Operação Lava Jato. “Sem renovação das práticas políticas, o trabalho da Lava Jato pode ser, em grande medida, em vão”, diz, citando que essa é uma possível visão pessimista da questão.

“Contudo, ao mesmo tempo que vemos desafios, é preciso reconhecer os avanços. O fortalecimento do consenso na sociedade na direção de mais integridade”.

Deltan participa do evento “Estadão Discute Corrupção”, realizado na sede do jornal O Estado de S.Paulo em parceria com o Centro de Debate de Políticas Públicas (CDPP) para discutir as operações Lava Jato e Mãos Limpas.

O coordenador da força-tarefa afirmou que as críticas servem para reflexão, mas não é saudável haver campanhas de disseminação de fake news e de injúrias contra a operação.

Deltan Dallagnol iniciou sua fala brincando que não fará nenhum Power Point em sua apresentação. Ele fala que o esforço do livro nasce de uma preocupação de que houvesse uma deslegitimação e até esvaziamento da Lava Jato.

“A minha geração vê o direito penal com objetivo de proteger as vítimas e a sociedade. Tudo deve ser feito com direito ao respeito de defesa, às garantias fundamentais”, continua Dallagnol.

Dallagnol afirmou ainda ser preciso contribuir com a criação da própria história. “Precisamos de reformas contra a corrupção, como o pacote anticrime, para evitar retrocesso”.

Mais conteúdo sobre:

Deltan Dallagnoloperação Lava Jato