‘O senhor tem contas no exterior?’, pergunta Gleisi a Moro, que responde: ‘Não sou eu o investigado por corrupção”

‘O senhor tem contas no exterior?’, pergunta Gleisi a Moro, que responde: ‘Não sou eu o investigado por corrupção”

Deputada presidente nacional do PT indagou do ministro da Justiça se ele 'já fez viagem ao exterior acompanhado do advogado Zucolotto'

Luiz Vassallo

02 de julho de 2019 | 19h05

Gleisi Hoffmann. Foto: REUTERS/Leonardo Benassatto

A deputada Gleisi Hoffmann (PT/PR), presidente nacional do seu partido, questionou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, nesta terça, 2, sobre suas relações com o advogado trabalhista Carlos Zucolotto, a quem o doleiro Tacla Duran, denunciado na Lava Jato, atribui supostos diálogos para intermediar sua delação.

“Sua esposa teve escritório com Carlos Zucolotto? Sim ou não? O senhor ou a esposa tiveram ou têm conta no exterior? O senhor já fez viagem ao exterior acompanhado do advogado Zucolotto? Ele já fez pagamentos em favor do senhor nessas viagens?”, indagou a petista, na audiência da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara em que o ministro é ouvido sobre diálogos a ele atribuídos com procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato e divulgados pelo site The Intercept.

Ela foi incisiva. “Não é verdade que o senhor sempre age corretamente. Temos algumas ações judiciais que já cassaram ações suas.”

“Em relação às contas no exterior, isso é maluquice”, afirmou Moro, que disse ‘repudiar’ a pergunta sobre Zucolotto. “Não sou eu que sou investigado por corrupção”.

Gleisi é um dos parlamentares alvo da Lava Jato que compareceram à Comissão de Constituição e Justiça para questionar o ex-juiz da maior operação já deflagrada no país contra a corrupção.

A petista responde a denúncia por supostas propinas da Odebrecht, em sua campanha do governo do Paraná em 2014.

Seu marqueteiro de campanha admitiu ter ido a reuniões na empreiteira sobre o financiamento da candidatura da petista. No prédio da agência de publicidade, um entregador do doleiro usado pela construtora deixou sua foto registrada na portaria.

Gleisi nega a acusação, com veemência.

Rodrigo Tacla Duran é acusado de intermediar propinas para o MDB e para o suposto operador do PSDB, Paulo Vieira de Souza.

Tendências: